Renato Rovai

Blog do Rovai

Coluna política

18 de fevereiro de 2018, 11h21

Faixa do vampirão: quando chega a censura é que vem pau pela frente

O título da matéria de O Globo é: “’Vampiro-presidente’ da Tuiuti desiste de usar faixa presidencial no desfile das campeãs”. O negrito em ‘desiste’ é meu. Aí você vai ler a matéria e descobre que: “Segundo informações do barracão da escola, emissários da presidência da República pediram à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) […]

O título da matéria de O Globo é: “’Vampiro-presidente’ da Tuiuti desiste de usar faixa presidencial no desfile das campeãs”. O negrito em ‘desiste’ é meu. Aí você vai ler a matéria e descobre que:

“Segundo informações do barracão da escola, emissários da presidência da República pediram à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) que impedisse a entrada do destaque.”

E que: “Léo Moraes, de 40 anos, disse que não tinha recebido essa informação, e que desfilaria com a faixa.”

E que: “Logo depois ele afirmou que perdeu o adereço no fim da apresentação de domingo.”

E que: “A reportagem do GLOBO, no entanto, viu o momento que o professor entregou a faixa para um funcionário da escola guardar dentro de um carro.”

Ou seja, o vampiro não desistiu de usar a faixa. Ele foi desistido de usá-la. Esta é a notícia, absurdamente escondida pela organização capitã da intervenção militar no Rio de Janeiro, a Globo.

O que aconteceu com a faixa do vampiro é apenas o primeiro evento público do golpe militar no Rio de Janeiro, onde agora manda quem pode obedece quem tem juízo, como dizia o velho.

Esse título da matéria de O Globo é a demonstração mais límpida de como se constrói a censura nas redações em tempos de golpe.

A TV Brasil também teria sido impedida de mostrar cenas do vampirão e da ala dos patos.

Avançou de forma absurda o golpismo. Porque a censura é um limite que costuma deixar tudo mais claro. É o fim de qualquer sutileza. Ou seja, quando chega a censura é porque vem pau pela frente.

Foto: NINJA