Renato Rovai

Blog do Rovai

Coluna política

23 de junho de 2018, 10h54

O anti-neymarzismo, o contrato com a Globo e as broncas de Galvão Bueno

O anti-neymarzismo não é só um esporte, mas também um jogo de interesses da Globo, que parece querer constranger os empresários do jogador a se renderem aos interesses da empresa.

Neymar é disparado o melhor jogador brasileiro da atualidade. Como Messi é o melhor da seleção da Argentina. E Cristiano Ronaldo o de Portugal. Achar o contrário disso é bobagem, mas é do jogo.

Quase todos os argentinos consideram que Maradona foi melhor do que Pelé (pausa pra risos, como diria o Paulo Nogueira).

O que as pessoas acham dos craques em geral também têm a ver com simpatia, o clube em que joga ou jogou, seu posicionamento sobre temas da política etc. Não devia ter relação com isso, mas tem.

Eu, por exemplo, acho o Mário Varas Llosa um cracaço na literatura e o dispenso em todo o resto.

Mas o que está se passando com Neymar desde as Olimpíadas é um tanto diferente.

E ontem Juninho Pernambucano levantou a lebre num tweet em que explicita que depois de Neymar romper um contrato de exclusividade com a Globo, Galvão Bueno passou a criticá-lo. Isso se deu no período das Olimpíadas e segue até hoje.

Galvão chegou ontem a culpar Neymar pelo pênalti anulado, dizendo que se ele caísse diferente o árbitro validaria. E muitas pessoas passaram a repetir essa frase como um mantra. Galvão criticou Neymar o jogo todo, ignorando que ele deu 5 chutes a gol e fez 3 assistências perfeitas. E que foi caçado como sempre. E muitos seguiram a mesma linha.

É fato que Neymar jogou menos do que pode, mas é também verdade que ele tem jogado fora da sua melhor forma física, pois ficou 100 dias aproximadamente afastado dos gramados. E ao voltar num jogo de Copa levou 10 faltas e algumas bastante violentas.

Se Neymar tivesse contrato com a Globo, talvez Galvão só tivesse destacado isso. Ficaria passando pano em cada erro do jogador e atribuindo-o ao problema físico. Ou seja, o anti-neymarzismo não é só um esporte, mas também um jogo de interesses da Globo, que parece querer constranger os empresários do jogador a se renderem aos interesses da empresa. Que aliás, esta sim, tem inúmeras denúncias de sonegação contra si. Muito mais graves que as de Neymar. Mas as pessoas (quase todas de esquerda, diga-se) ao invés de atacarem a Globo na hora do jogo preferem xingar o Neymar. E a Globo segue firme fazendo heróis e vilões em nome dos seus interesses.