Renato Rovai

Blog do Rovai

Coluna política

20 de novembro de 2018, 13h57

O espírito do FSM reencarna no Fórum da Clacso e pode ser ponto de inflexão nas lutas latino-americanas

Naquele ano quem se deslocou para a capital gaúcha não tinha muito ideia do que ia ver ou viver. E foi tocado por uma instigante sensação de que mesmo vivendo dias duros, ainda éramos muitos e não tínhamos o direito de desistir. O período deste 2018 é muito semelhante ao de 2001.

Divulgação

O 1° Fórum Mundial do Pensamento Crítico, organizado pela Clacso, que acontece em Buenos Aires desde segunda-feira (19) e segue até o dia 22, resgata de forma impressionante o espírito do Fórum Social Mundial daquela primeira edição de 2001 na PUC-RS.

Naquele ano quem se deslocou para a capital gaúcha não tinha muito ideia do que ia ver ou viver. E foi tocado por uma instigante sensação de que mesmo vivendo dias duros, ainda éramos muitos e não tínhamos o direito de desistir.

O período deste 2018 é muito semelhante ao de 2001. Eram tempos de  neoliberalismo e supremacia de governos conectados à politica americana. Havia uma sensação de derrota e desamparo em vários países. E o FSM reorganizou Ongs, sindicatos e movimentos.

O que acontece em Buenos Aires é diferente, mas essencialmente semelhante.

A base do encontro é muito mais de universitários, professores e cientistas sociais da América Latina, com destaque especial para os argentinos. Mas ao mesmo tempo a representação de políticos de diversos partidos do continente e as falas emocionantes e de resgate da memória dos tempos da ditadura criam um clima de que, no atual momento, é fundamental revisitar o passado para pensar o futuro.

No almoço de ontem conversei um pouco com o professor Boaventura de Sousa Santos acerca disso. Ele também estava surpreso de como o espírito do início do FSM está presente neste evento da Clacso.

A história costuma se repetir como farsa, como já disse um velho barbudo. Mas a farsa parece ser os governos latino-americanos que estão tentando fazer o continente voltar aos anos 70, 80 e 90. Os que estão começando a se reorganizar para derrotá-los parecem estar muito preocupados também em aprender com seus erros.

O próprio nome do evento da Clacso, pensamento crítico, coloca esta nova chave no jogo.

Já se sabe que um outro mundo é possível. Já se fez muito neste sentido em diversos países com governos progressistas nestes anos 2000. Mas é hora de pensar no que deu errado. E por que em tantos países a direita e a extrema direita avançou tanto.