Cinegnose

13 de janeiro de 2019, 13h30

Nova logomarca revela que Bolsonaro não consegue sair do personagem

Em cinema e teatro fala-se muito de atores que, de tão concentrados no personagem, não conseguem mais sair do papel. Uma análise semiótica da nova identidade visual do Governo Federal revela que nada mais resta para o presidente Jair Bolsonaro do que se manter no personagem da campanha eleitoral – belicoso e provocativo, pronto para criar sempre um novo inimigo


+ posts

25 de dezembro de 2018, 14h34

A ilusão das festas de Ano Novo no filme “Goodbye, 20th Century”

No filme Goodbye, 20th Century (Zbogum na dvaesetiot vek, 1998), uma viagem da câmera através do ralo de um banheiro para chegarmos em um shopping center durante as comemorações do ano novo do final de milênio


17 de dezembro de 2018, 16h44

Como envenenar psiquicamente um povo no filme “Os Demônios”

Os tribunais eclesiásticos da Inquisição foram muito mais do que produtos do fanatismo religioso. Foram instrumentos de “lawfare” para a dominação política da Igreja. Em “Os Demônios” a Inquisição é um instrumento de uma estratégia mais ampla que hoje chamamos de “Guerra Híbrida


10 de dezembro de 2018, 15h40

“Coletes Amarelos” na França: a revolução não será televisionada!

Até aqui a grande mídia passa batida para “o déjà vu” dos protestos dos “coletes amarelos” na França: em 2013 as chamadas “Jornadas de Junho” no Brasil foram narradas da mesma maneira como hoje noticiam os protestos franceses. A revolução não será televisionada: a mídia não está relatando o que as pessoas fazem; relatam apenas o que as pessoas fazem para obter a atenção da mídia para o Capitalismo dar um novo salto – o populismo de direita


03 de dezembro de 2018, 15h31

Alarme do Ciberespaço! Tempo Real destruirá a Democracia

A vitória de Bolsonaro foi um dos laboratórios da corrosão da representação política pelo tempo real. E agora, os protestos dos “coletes amarelos” na França promete que essa engenharia será global


21 de novembro de 2018, 09h50

Cinegnose e Coletivo Resistência discutem guerra semiótica e antimídia

Na pauta, o detalhamento das táticas de mineração de Big Data nas redes sociais nas campanhas de Trump e Bolsonaro, e a articulação entre mídias tradicionais e as redes – “frame set” + criação de “Co-Memes” (constelação de memes que se apoiam mutuamente)


04 de novembro de 2018, 13h32

Retrofascismo: na Guerra Híbrida o fascismo retorna como farsa

Em novo artigo Wilson Ferreira explica Fascismo histórico e Retrofascismo, leia


26 de outubro de 2018, 15h45

“Esquerda precisa de um novo Goebbels?”, indaga Cinegnose na CEE-Fiocruz no Rio

Enquanto a esquerda mal compreendeu o funcionamento das mídias de massa no século XX, nesse século a direita dá um segundo salto tecnológico com a guerra semiótica no campo das tecnologias de convergência – Internet e redes sociais.


23 de outubro de 2018, 15h39

“ZapGate” é o último ato da guerra híbrida

Cinicamente a Globo chama de “guerra virtual” para encobrir o caráter assimétrico da batalha do disparo de milhões de notícias falsas com apoio empresarial pela campanha de Jair Bolsonaro - o "ZapGate"


10 de outubro de 2018, 18h49

Bolsonaro é um avatar. Como enfrentá-lo?

A Nova Direita tem o mesmo elemento de estetização da política criada pelo fascismo histórico: a narrativa ficcional cômica – de programas de humor da TV, Bolsonaro despontou como um “mito” de quem ria-se e não se levava a sério. Por isso, circulou livremente. Hoje, é o protagonista do “gran finale” da guerra híbrida. Como enfrentar um avatar?


25 de setembro de 2018, 22h27

Bolsonaro X Haddad no segundo turno? Guerra híbrida continua vencendo

Para além do impeachment e a prisão de Lula, há um objetivo semiótico mais insidioso: polarização (petismo X anti-petismo) e despolitização - infantilização do debate político através do ódio e irracionalidade de uma opinião pública que se acostumou a odiar a Política. E nesse momento, a grande mídia busca mais uma “bala de prata” para turbinar a polarização


18 de setembro de 2018, 20h17

Por que teledramaturgia da Globo está assombrada com o Tempo e a História?

Sabe-se que em ano eleitoral o laboratório de feitiçarias semióticas da emissora funciona em tempo integral. O que essa recorrência pode significar dentro desse contexto? Nova bomba semiótica? Ou o sintoma do temor de uma emissora hegemônica que sabe da importância do atual cenário eleitoral?