ASSISTA

#Milos Morpha

30 de junho de 2015, 08h34

“Um Lugar ao Sol”, “Pacific” e a classe média ridicularizada

  É muito interessante como se forma a cinefilia em um lugar que tem produzido cada vez mais filmes, e com um reconhecimento externo crescente, como é o caso de Pernambuco. A intenção cinéfila, sempre um movimento engajado por motivações estéticas, confronta-se com a presença próxima das figuras concretas que produzem os filmes quase sempre […]


25 de junho de 2015, 15h31

Jurassic World: passado e presente, por Pedro de Biasi

Existe uma dialética bastante hipnótica em Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros, sequência-re… (Reboot? Reconstrução? Refilmagem? Rebuceteio?) da obra-prima conjurada por Steven Spielberg. É fácil deixar a atenção se desviar dos frágeis efeitos visuais, dos sofridos diálogos, dos medonhos (vá lá) personagens e das paupérrimas sequências de ação quando se desenha, quase como subtexto, mas […]


16 de junho de 2015, 10h22

Sobre Pasolini e a Paixão de Viviany

Em uma matéria virtual, o G1 afirma que a releitura do martírio de Jesus Cristo interpretada pela modelo transexual Viviany Beleboni “chocou” parte das pessoas na Parada Gay de São Paulo do dia 7 de junho. A afirmação é potencialmente verdadeira, mas não escapa de ser burra e tendenciosa, como em quase todas as vezes […]


03 de junho de 2015, 09h23

A arte do crítico

              Oscar Wilde, figura essencial da antinostalgia vitoriana, tem um conto maravilhoso chamado O Retrato do Senhor W. H.. É a história de três intelectuais e a teoria literária de um deles, que, se provada, transformaria radicalmente a leitura hegemônica da obra de William Shakespeare. A teoria exposta em […]


02 de junho de 2015, 09h36

A ressaca pós-Mad Men: o sonho acabou, e você vai ficar bem, por Cecília Shamá

Não se pode repetir o passado – Nick Carraway. É claro que podemos. – Jay Gatsby. F. Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby. Quem mais poderia vender uma Coca-Cola para o mundo que não Don Draper? Ele é o homem que vendeu o mundo, afinal, como nos diz a voz de Bowie nos vídeos promocionais da […]


01 de junho de 2015, 11h04

Spielberg e um cinema de aventura perdido

Recentemente, alguns colegas ridicularizaram publicamente a ode ao cinema clássico americano, evidenciada nos elogios ao último filme de Clint Eastwood, Sniper Americano, acusando-a de ser politicamente alienada. O comentário gerou uma repercussão de troca de farpas e indiretas bem diretas. No meio de tudo isso, um amigo cinéfilo soltou o ótimo comentário “cada um tem […]


20 de Maio de 2015, 09h59

“Então quem matou o mundo?”, por João Vítor Pessanha

  “Meu mundo é fogo e sangue” Uma das sacadas mais inteligentes do cineasta George Miller nesse novo Mad Max foi incorporar os 30 anos entre Thunderdome e Fury Road ao arco do personagem. Isolado por todo esse tempo, num mundo cada vez mais desesperado e impiedoso, ele se tornou um animal cujo único instinto […]


15 de Maio de 2015, 09h26

A última conversa de Coutinho

  O filme-homenagem é uma desgraça conhecida. Tragicamente dividido entre a beleza e a conivência, às vezes, ao menos, consegue os dois. Em momentos ainda mais raros, perde a covardia que se considera admiração ao sujeito homenageado, e aí surgem grandes filmes. Últimas Conversas, de Eduardo Coutinho, é também um filme sobre Eduardo Coutinho. O […]


11 de Maio de 2015, 18h29

10 filmes: Eduardo Coutinho

        Últimas Conversas está estreando este mês no Brasil, mas ainda dói usar o termo “canto de cisne” para Eduardo Coutinho. Desde Santo Forte, quando o cineasta embarcou em uma produção mais assídua de longas-metragens e passou a ser reconhecido por determinados traços de estilo, cada novo filme de Coutinho, como vejo, […]


23 de Abril de 2015, 08h16

A imagem-informação, por Francisco Cannalonga

    Em seu consagrado ensaio De Caligari à Hitler, Siegfried Kracauer argumenta que os filmes autorados durante o movimento expressionista na Republica de Weimar subjetivamente representavam o confuso inconsciente coletivo alemão, ainda em processo de cicatrização dos traumas da experiência alemã na Primeira Guerra. O desejo revolucionário contraditoriamente alinhado ao apego aa conceitos reacionários […]


15 de Abril de 2015, 12h44

Os bandidos de Albuquerque em “Breaking Bad” e “Better Call Saul”

Nos últimos dias, engatei uma maratona de Buffy: a caça-vampiros, depois de anos de insistência dos amigos buffetes. A série é espetacular em muitos sentidos. O que mais me encanta é como Joss Whedon, o showrunner, criou um universo completo, com herança histórica, tradição e regras próprias. À Terra Média e Nárnia credita-se um pioneirismo […]


08 de Abril de 2015, 09h44

Um convite para “Mad Men”, por Radamés Marques

[Nota do editor: Este texto foi originalmente publicado no Milos Morpha há um ano, próximo à estreia da sétima temporada da série, e está sendo republicado a pedido do autor agora que os sete episódios finais estão indo ao ar. Achei uma boa ideia, considerando que permanece tão verdadeiro hoje quanto então] Pegar gosto por Mad Men não […]


31 de Março de 2015, 13h30

Babilônia: subversão e subversão limitada

Em 1930, um ato de autorregulação dos grandes estúdios americanos em Hollywood estabeleceu o que ficou popularmente conhecido como Código Hays. Basicamente, o Código estabelecia oficialmente o que era e o que não era permitido dentro das representações visuais e narrativas feitas por Hollywood. Ele foi vencido no fim dos anos 1960 por uma séria […]


24 de Março de 2015, 10h01

Quem é Sondheim? 85 anos de um gênio

O teatro musical americano é uma arte trágica. Principal fonte de inspiração para os atuais filmes musicais hollywoodianos, ele sofre com uma impossibilidade cada vez maior de se fazer visível. Primeiro porque o cinema tem feito cada vez menos adaptações (isso tem mudado nos últimos anos), e aquelas enfim produzidas são filmadas por perspectivas cada […]


02 de Março de 2015, 16h02

“Cinquenta Tons de Cinza”: a representação de uma fantasia

Este é o segundo texto que escrevo sobre Cinquenta Tons de Cinza. Ontem, escrevi o que agora não passa de um rascunho descartado contra uma crítica ao filme que chamei conservadora. Várias conversas com amigos que tomam parte dessa crítica esclareceram questões que agora, pra mim, justifica-a e a faz necessária. Quem lê aqui já […]