Blog da Maria Frô

ativismo é por aqui

25 de outubro de 2011, 18h26

Governo vai pagar por aquilo que deveria exigir das Teles

Negócio da China no Brasil é entrar na área de telecomunicações: FHC sucateou Embratel pra vender a preço de banana aos espanhóis. Anatel não fez nada durante o governo Lula pra exigir que as empresas de telecomunicações prestassem ao menos um serviço decente aos consumidores, agora o governo Dilma vai pagar pelo que ele poderia exigir que as empresas de telecomunicações fizessem por conta própria se houvesse o regime público, se a Telebras não fosse de mentirinha.

O governo deixará de arrecadar para estimular os investimentos em áreas menos rentáveis, sendo que essa deveria ser a obrigação mínima para que essas empresas existirem. Alguém por acaso proibiu as teles de investir em áreas menos populosas depois da privatização? Por que não fortalecer a Telebras ao invés de facilitar ainda mais a vida (e o lucro das Teles?).

Leia também:

A palestra de Paulo Bernardo no #2blogprog, o PNBL e a realidade de Manaus

Mauro Santayana: E se fosse para a Telebras?

Quinta-feira é dia de pressionar a Anatel que decidirá sobre velocidade na Internet no Brasil

Governo prepara plano com isenções para teles

MP vai criar regime especial para implantação de redes de telecomunicações, diz ministro

Mônica Ciarelli, O Estado de S. Paulo

24/10/2011

O governo deve encaminhar nos próximos 15 dias ao Congresso a Medida Provisória que cria um regime especial para implantação de redes de telecomunicações no País até 2016. A previsão foi feita ontem pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. A MP prevê isenções de PIS e Confins para itens como fibra ótica, rádios, modems, construção de torres e dutos. Também desonera a cobrança de IPI na construção de redes, estações e subestações.

“Estamos dispostos a abrir mão de impostos para incentivar investimentos”, afirmou o ministro, após palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro. Bernardo calcula que o regime especial proposto para o setor possa desonerar em cerca de 25% os gastos com a implantação de novas redes. Pelas contas do governo, essa isenção pode representar renúncias fiscais de R$ 1,2 bilhão por ano.

Segundo Bernardo, o texto da MP foi entregue ontem ao ministério e deve ser encaminhado até o início da próxima semana para a Casa Civil.

Congresso. “Depois vamos despachar com a presidente. Em mais ou menos uns 15 dias mandamos para o Congresso”, disse.

Com o benefício fiscal, Bernardo acredita que o setor de telecomunicações caminha para um novo ciclo de investimentos. “A isenção vai vigorar até 2016 e achamos que as empresas vão antecipar seus planos de investimento até porque o mercado está forte e demandante.” O ministro acredita que essa antecipação será importante para o setor conseguir atender a demanda de crescimento por ampliação de serviços em telecomunicações. Segundo ele, o atual patamar de investimento no setor, de R$ 17 bilhões anuais, é insuficiente. “A tendência, com essa MP, é aumentar os investimentos. Achamos que pode chegar a R$ 25 bilhões”, previu.

A cifra que o ministro cita corresponde ao nível de investimento praticado pelas companhias nos anos que se seguiram à privatização do setor.

Entretanto, o ministro argumenta que é preciso tomar cuidado para que essa nova safra de investimentos possa atender também a demanda de regiões menos populacionais, que oferecem menos retorno financeiro.

Exigência. Para isso, decidiu incluir na MP essa exigência. Para ter acesso a isenção fiscal, as empresas terão de se comprometer a destinar parte de seus orçamentos para regiões fora do eixo Rio-São Paulo-Brasília, onde o retorno é mais elevado.

“A empresa que fizer o investimento no chamado “filé mignon” vai ter que fazer também no Norte, Nordeste, que são áreas com menos rentabilidade, mas que precisam ser atendidas”, disse. A meta do plano plurianual do governo é elevar o porcentual de domicílios conectados à internet dos atuais 32% para 70% em 2015.

Segundo ele, essa visão também irá ditar também o leilão do espectros de internet 4G, previsto para abril de 2012. Tanto que o governo já espera uma arrecadação menor com essa licitação.

“A concorrência vai seguir os moldes do leilão 3G, em que o governo reduziu o valor a outorga a ser licitada, mas vai ampliar as metas de cobertura a serem atendidas pelo vencedor da concorrência”, disse.

____________
Publicidade
//
//