Imprensa livre e independente
11 de junho de 2018, 09h39

Bolsonaro defendeu esterilização de população mais pobre para combate à miséria e violência

Bolsonaro fez um discurso contra os programas sociais como Bolsa Família, definido por ele como "nefasto"

Uma série de discursos do pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL-RJ) evidenciam seu pensamento sobre a forma de combater a desigualdade social no pais. Segundo o parmentar flumoinense, a esterilização de pobres e miseráveis é um recurso necessário para o combate à violência, sua principal bandeira na vida pública. Reportagem publicada pela Folha de São Paulo nesta segunda-feira reúne as relfexões de Bolsonaro sobre o tema nos últimos 25 anos. Os discursos repetem um padrão de pensamento, evidenciando que é uma opinião convicta do pré-candidato. Em 2013, Bolsonaro fez um discurso contra os programas sociais como Bolsa Família,...

Uma série de discursos do pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL-RJ) evidenciam seu pensamento sobre a forma de combater a desigualdade social no pais. Segundo o parmentar flumoinense, a esterilização de pobres e miseráveis é um recurso necessário para o combate à violência, sua principal bandeira na vida pública.

Reportagem publicada pela Folha de São Paulo nesta segunda-feira reúne as relfexões de Bolsonaro sobre o tema nos últimos 25 anos. Os discursos repetem um padrão de pensamento, evidenciando que é uma opinião convicta do pré-candidato.

Em 2013, Bolsonaro fez um discurso contra os programas sociais como Bolsa Família, definido por ele como “nefasto”.

“Só tem uma utilidade o pobre no nosso país: votar. Título de eleitor na mão e diploma de burro no bolso, para votar no governo que está aí. Só para isso e mais nada serve, então, essa nefasta política de bolsas do governo”, declarou no plenário da Câmara.

Quase 21 anos antes, em 19992, o deputado já fazia referência ao uso do “rígido controle de natalidade” como forma de combater a miséria e a violência. “Devemos adotar uma rígida política de controle da natalidade. Não podemos mais fazer discursos demagógicos, apenas cobrando recursos e meios do governo para atender a esses miseráveis que proliferam cada vez mais por toda esta nação.”

Veja também:  Em meio a protestos por cortes na educação, Bolsonaro viaja para os EUA

No ano seguinte, voltou ao assunto de uma maneira que explicitou ainda mais o seu pensamento sobre o caso com a frase “Quem não deve gter filhos, não deve tê-los”. Bolsonaro juntou no mesmo discurso sobre pobreza e miséria a defesa da pena de morte.

“Defendo a pena de morte e o rígido controle de natalidade, porque vejo a violência e a miséria cada vez mais se espalhando neste país. Quem não tem condições de ter filhos não deve tê-los. É o que defendo, e não estou preocupado com votos para o futuro”.

Contrariando todos os estudos na área mundo afora, Bolsonaro disse que não seria a Educação o caminho para a redução da desigualdade no Brasil

“Não adianta nem falar em educação porque a maioria do povo não está preparada para receber educação e não vai se educar. Só o controle da natalidade pode nos salvar do caos”, disparou Bolsonaro em julho de 2008. ““Só tem uma utilidade o pobre no nosso país: votar. Título de eleitor na mão e diploma de burro no bolso, para votar no governo que está aí. Só para isso e mais nada serve, então, essa nefasta política de bolsas do governo”, declarou em novembro de 2013.

Veja também:  Bolsonaro se recusa a responder porque compartilhou texto que sugere renúncia: "Só repassei"

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum