Imprensa livre e independente
25 de março de 2019, 09h21

Bolsonaro incentiva comemoração de aniversário do golpe de 64, no próximo dia 31

Ímpeto autoritário de Bolsonaro, que celebra a tortura, deve retomar as comemorações do "aniversário do golpe" em 31 de março; Planalto e generais tentam minimizar desgaste

Bolsonaro em evento com militares (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Fã do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, o presidente Jair Bolsonaro (PSC), segundo apuração de Tânia Monteiro, para o Estado de S. Paulo, orientou que os quartéis comemorem o “aniversário” do golpe civil-militar de 1964 no dia 31 de março – “data histórica” atribuída pela narrativa militar, que marca a derrubada do presidente João Goulart e o início da ditadura que só chegou ao fim em 1985. Em 2011, Dilma Rousseff (PT), presa e torturada pelo regime, recomendou ao comando das Forças Armadas a suspensão de qualquer solenidade que marcasse o dia. A retomada das celebrações do golpe oito ano...

Fã do torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, o presidente Jair Bolsonaro (PSC), segundo apuração de Tânia Monteiro, para o Estado de S. Paulo, orientou que os quartéis comemorem o “aniversário” do golpe civil-militar de 1964 no dia 31 de março – “data histórica” atribuída pela narrativa militar, que marca a derrubada do presidente João Goulart e o início da ditadura que só chegou ao fim em 1985.

Em 2011, Dilma Rousseff (PT), presa e torturada pelo regime, recomendou ao comando das Forças Armadas a suspensão de qualquer solenidade que marcasse o dia.

A retomada das celebrações do golpe oito ano depois e o ímpeto autoritário de Bolsonaro geraram reações até mesmo de generais da reserva.

O receio é de que o reforço da associação da imagem do presidente à exaltação da ditadura militar seja mais um fator desfavorável às discussões em torno da Reforma da Previdência.

Ao declarar seu voto em favor da cassação de Dilma, em 2016, Bolsonaro o dedicou ao mais notório dos torturadores do regime: “Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff”, disse, na ocasião.

Veja também:  Conselho Federal da OAB vai recomendar a Moro que se afaste de suas funções

Para suavizar o novo episódio de exaltação à ditadura, o Planalto pretende uniformizar o tom das celebrações, as “lições aprendidas” no período, mas sem qualquer autocrítica aos militares que governaram durante 21 anos, marcados pela morte e tortura de executores.

O texto deve ainda comemorar o protagonismo retomada pelas Forçar Armadas no governo Bolsonaro, que reúne o maior número de militares nos ministérios desde o fim da ditadura.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum