Imprensa livre e independente
08 de abril de 2019, 20h33

Bolsonaro promete rever demarcações indígenas e diz que vai explorar Amazônia com EUA

Em entrevista a Augusto Nunes, na Jovem Pan, presidente defendeu que indígenas e quilombolas “possam vender ou explorar” suas terras “da maneira como acharem melhor”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Jair Bolsonaro concedeu entrevista a Augusto Nunes, da Rádio Jovem Pan, nesta segunda-feira (8), e prometeu rever demarcações indígenas. Além disso, denunciou o que chamou de “indústria das demarcações” e avisou que quer “explorar a região amazônica com os Estados Unidos”. “A demarcação que eu puder rever, eu vou rever”, declarou. Bolsonaro também defendeu que indígenas e quilombolas “possam vender ou explorar” suas terras “da maneira como acharem melhor”. Também criticou o que classificou de “indústria da demarcação, o que, segundo ele, “inviabiliza qualquer projeto na Amazônia”, e anunciou: “Quero explorar a região amazônica em parceria com os Estados Unidos”....

Jair Bolsonaro concedeu entrevista a Augusto Nunes, da Rádio Jovem Pan, nesta segunda-feira (8), e prometeu rever demarcações indígenas. Além disso, denunciou o que chamou de “indústria das demarcações” e avisou que quer “explorar a região amazônica com os Estados Unidos”.

“A demarcação que eu puder rever, eu vou rever”, declarou. Bolsonaro também defendeu que indígenas e quilombolas “possam vender ou explorar” suas terras “da maneira como acharem melhor”.

Também criticou o que classificou de “indústria da demarcação, o que, segundo ele, “inviabiliza qualquer projeto na Amazônia”, e anunciou: “Quero explorar a região amazônica em parceria com os Estados Unidos”.

 

Veja também:  Olavo de Carvalho apresenta queixa-crime contra Caetano Veloso e o chama de “canalha”

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum