Imprensa livre e independente
30 de julho de 2018, 22h41

Bolsonaro usa participação da mídia no golpe militar pra se defender no Roda Viva

Bolsonaro tergiversou dizendo que o Coronel Ustra não foi condenado e julgado e por isso não poderia ser considerado um criminoso.

No primeiro bloco, o pré-candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) foi indagado pela jornalista Maria Cristina Fernandes, de O Valor Econômico, sobre a ditadura militar e sua posição sobre a tortura. Bolsonaro tergiversou dizendo que o Coronel Ustra não foi condenado e julgado e por isso não poderia ser considerado um criminoso. Ainda disse que muitos que dizem ter sido torturados o fizeram isso pra conseguir votos, poder e indenizações. “Se nós tivéssemos perdido a guerra seríamos uma Cuba”, completou. Mas a sua trucada do primeiro bloco para constrangimento da bancada de jornalistas foi falar de cor um...

No primeiro bloco, o pré-candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) foi indagado pela jornalista Maria Cristina Fernandes, de O Valor Econômico, sobre a ditadura militar e sua posição sobre a tortura.

Bolsonaro tergiversou dizendo que o Coronel Ustra não foi condenado e julgado e por isso não poderia ser considerado um criminoso. Ainda disse que muitos que dizem ter sido torturados o fizeram isso pra conseguir votos, poder e indenizações. “Se nós tivéssemos perdido a guerra seríamos uma Cuba”, completou.

Mas a sua trucada do primeiro bloco para constrangimento da bancada de jornalistas foi falar de cor um trecho de editorial de O Globo assinado por Roberto Marinho, que chamou o golpe militar de revolução democrática.

Bolsonaro também lembrou que a TV Globo nasceu em 1965 logo depois do Golpe e a revista Veja em 1968.

Veja também:  VÍDEO: General Heleno tem surto e dá murros na mesa ao comentar entrevista de Lula à TVT

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum