14 de setembro de 2018, 23h16

Bonner diz que Haddad “oscilou” de 9% para 13% e é obrigado a se corrigir

Fernando Haddad foi o candidato que mais cresceu na pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (14), mas para o apresentador do "Jornal Nacional", o crescimento fora da margem de erro foi uma "oscilação". Depois, foi obrigado a se corrigir. Assista

Reprodução

Na noite desta sexta-feira (14), o apresentador do ‘Jornal Nacional’, da Globo, William Bonner, foi obrigado a se corrigir depois de dizer que Fernando Haddad (PT) “oscilou” na pesquisa do Datafolha que mostrou a curva ascendente do petista.

A divulgação do levantamento no telejornal da família Marinho foi feita logo após a entrevista com o candidato do PT em que Bonner e Renata Vasconcellos o interromperam 62 vezes em 27 minutos. Mesmo assim, Haddad foi incisivo nas respostas e expôs que a Globo é investigada por ter “problemas” com a Receita Federal. Visivelmente irritado com a performance do presidenciável na entrevista, o jornalista então noticiou que ele “oscilou” de 9% para 13% no Datafolha.

Como a margem de erro da pesquisa é de 2 pontos, os quatro pontos a mais alcançados por Haddad com relação ao último levantamento representam um crescimento, e não uma “oscilação”, como definiu Bonner.

Alguns minutos depois, então, o apresentador anunciou seu “equívoco”: “Deixa eu fazer uma correção. Agora há pouco, ao divulgar a pesquisa Datafolha, dissemos que o candidato Fernando Haddad, do PT, oscilou de 9% para 13%. Segundo o Datafolha, como o crescimento se deu fora da margem de erro, a frase correta é ‘o candidato Fernando Haddad cresceu de 9% para 13%’. Pelo erro pedimos desculpas”.

Assista.