30 de janeiro de 2018, 12h05

Boulos rebate Cármen Lúcia: “Apequenar o STF é se omitir diante de uma condenação sem provas”

Líder do MTST e da frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos respondeu declaração da presidente do Supremo Tribunal Federal. Da Redação* O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, rebateu nesta terça-feira (30), declaração da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmén Lúcia, que vê como “apequenar” o STF discutir sobre a revisão de regras de prisão, após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser condenado em segunda instância. “Ministra Cármen Lúcia, ‘apequenar’ o STF é se omitir diante de uma condenação sem provas e com evidente viés político”, escreveu Boulos em sua página no...

Líder do MTST e da frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos respondeu declaração da presidente do Supremo Tribunal Federal.

Da Redação*

O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, rebateu nesta terça-feira (30), declaração da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Carmén Lúcia, que vê como “apequenar” o STF discutir sobre a revisão de regras de prisão, após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser condenado em segunda instância.

“Ministra Cármen Lúcia, ‘apequenar’ o STF é se omitir diante de uma condenação sem provas e com evidente viés político”, escreveu Boulos em sua página no Twitter.

A ministra indicou que ela não tomará a iniciativa de pautar ações que tratam do tema, mesmo que não tenham relação direta com o caso de Lula. “Não creio que um caso específico geraria uma pauta diferente. Isso seria realmente apequenar o Supremo”, disse, na noite desta segunda-feira (29), ao ser questionada sobre o caso do petista. Cármen negou que tenha discutido o assunto com colegas do STF nos últimos dias. “Não conversei sobre esse assunto com ninguém. Os ministros estão em recesso”, afirmou.

*Com informações do Brasil 247

Foto: Mídia Ninja