Imprensa livre e independente
11 de março de 2019, 22h56

Brasil libera utilização da Base de Alcântara (MA) aos Estados Unidos

Acordo entre os dois países foi fechado após quase vinte anos de negociação

Foto: Divulgação
Por Brasil de Fato  Brasil e Estados Unidos fecharam os termos do novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), que concede o uso comercial da base de Alcântara, no Maranhão. Concluído na semana passada, o acordo ocorreu depois de quase vinte anos de negociação. Em 2000, o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chegou a assinar o documento, mas o texto foi barrado pelo Congresso Nacional. A proposta inicial era criar uma área de domínio dos EUA, que proibia a utilização da base pelo Brasil, devido à confidencialidade tecnológica. Segundo entrevista concedida ao jornal Estado de S. Paulo, que antecipou a notícia na...

Por Brasil de Fato 

Brasil e Estados Unidos fecharam os termos do novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), que concede o uso comercial da base de Alcântara, no Maranhão. Concluído na semana passada, o acordo ocorreu depois de quase vinte anos de negociação. Em 2000, o então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) chegou a assinar o documento, mas o texto foi barrado pelo Congresso Nacional.

A proposta inicial era criar uma área de domínio dos EUA, que proibia a utilização da base pelo Brasil, devido à confidencialidade tecnológica. Segundo entrevista concedida ao jornal Estado de S. Paulo, que antecipou a notícia na manhã desta segunda-feira (11), o embaixador do Brasil nos EUA, Sérgio Amaral, afirmou que as negociações atenderam críticas levantadas pelo Congresso. Assim, segundo ele, o novo acordo reduziria “a ingerência americana no Brasil”.

O pesquisador do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), Ronaldo Carmona, em entrevista para o Brasil de Fato em 2017, alertou para o risco da presença norte-americana no país. Segundo ele, o interesse dos EUA é conter a emergência de novas potências.

Veja também:  Bolsonaro demite presidente dos Correios porque “agiu como sindicalista"

“Os EUA sempre manobraram no sentido de diminuir a capacidade estratégica do Brasil de ser um país que tivesse maior autonomia e condição de se afirmar como uma potência entre as nações”, diz Carmona.

Ainda segundo a matéria do Estado de S. Paulo, as negociações já foram concluídas e aguardam revisão de integrantes dos dois países. O governo brasileiro, no entanto, ainda não divulgou o documento.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum