escrevinhador

por Rodrigo Vianna

21 de maio de 2016, 03h37

Dilma aos blogueiros: “é minha absoluta obrigação resistir; vou lutar contra isso até o fim, e ganhar”

“Eles montaram um ministério de velhos, ricos e brancos. Sem negros, e sem mulheres. Quem dá as cartas é o Cunha”.

por Rodrigo Vianna

Passava das cinco da tarde, e este blogueiro que acabara de se instalar no hotel, no centro de Belo Horizonte, ouve ao longe a voz que berra no megafone: “tchau, querida”, “fora, petralhas”. O tom é de cafajestice e deboche.

A massa de apoiadores de Michel Temer...

A massa de apoiadores de Michel Temer…

Caminho, então, até a janela; e lá embaixo observo o ridículo grupo vestido de amarelo, postado em frente ao hotel. Dos carros que passam, surgem gritos contrários: “golpistas, amigos do Cunha”.

Aos poucos, uma pequena multidão de vermelho se planta do outro lado da avenida Afonso Pena.

Parece que os trouxinhas perderam a rua... Mais de 10 mil pessoas receberam Dilma

Parece que os trouxinhas perderam a rua… Mais de 10 mil pessoas receberam Dilma

Inicia-se a troca de ofensas.

Os dois grupos estavam ali no aguardo da primeira aparição pública de Dilma Rousseff, depois do afastamento dela pelo Senado.

Às 19horas, o grupo de amarelo se retira, até porque ficara em minoria esmagadora quando uma passeata de apoiadores da Democracia chega ao local. Os coxinhas (agora chamados de “trouxinhas”, pelo fato de terem sido usados pelo PMDB de Cunha/Temer) não empolgam. O outro grupo, em compensação, não para de crescer.

Veja também:  Bolsonaro e a lógica do “governo sitiado”

Quando Dilma chega ao hotel, para participar do Quinto Encontro de Blogueir@s e Ativistas Digitais, a multidão já tomava conta das duas faixas da avenida. Entre 10 mil e 20 mil pessoas se aglomeravam – numa demonstração impressionante de persistência, depois do início arrasador do governo golpista de Michel Temer.

Dilma desce do carro por volta de 20h15, e decide caminhar em direção ao povo. A equipe de apoio dela agora é pequena: desde que foi afastada, tem apenas 4 seguranças à disposição. Quem garante a segurança e a estrutura, ali no meio da rua, é o movimento social.

A presidenta se emociona com a multidão: chora, mas logo retoma o controle, para discursar rapidamente, agradecendo o apoio.

20160520_203321Lá dentro, mais de 500 pessoas já haviam iniciado o encontro de blogueiros. Energizada pela rua, Dilma parece leve quando entra no hotel e pisa no palco do anfiteatro lotado. Sorri muito, carrega crianças no colo e é recebida numa atmosfera de emoção.

20160520_202706Na platéia, as mulheres são maioria – como tem ocorrido em tantos atos de resistência contra o golpe parlamentar. Há militantes negras, portadoras de deficiência, além de homens e mulheres com bandeiras multicoloridas do movimento LGBT. A meu lado, uma jovem ergue bem alto o cartaz: “somos todas Vana” (alusão ao sobrenome menos usado por Dilma).

Veja também:  Bolsonaro e a lógica do “governo sitiado”

Antes da presidenta, fala Renata Mielli, dirigente do FNDC (Forum Nacional de Democratização da Mídia). Ela destaca os interesses internacionais envolvidos no golpe, que chega para sabotar a integração latino-americana e os BRICs. E afirma: “Talvez esse golpe seja ainda mais terrível que o de 64, porque se desenvolve sob a máscara da legalidade. Voltamos ao governo dos homens ricos, de terno preto”.    

O ministro Patrus Ananias (PT), ex-prefeito de BH, lembra a mobilização dos mineiros contra o golpe: “Quando Minas se levanta, o Brasil se levanta. Começamos hoje a jornada para levar Dilma de volta à presidência”.

O microfone então passa para Dilma. A presidenta parece liberta daqueles discursos cheios de números e explicações burocráticas. Ela fala de improviso, mas logo para quando observa a poucos metros uma mulher chorando, na frente do palco. E diz: “é isso mesmo, bobeou a gente chora; eu mesmo acabo de chorar vendo a multidão ali na rua”.

Dilma fala com emoção, firmeza, e um surpreendente bom humor. Mas não foge das questões duras. Volta a chamar o golpe pelo nome: “o governo provisório é produto de um golpe. É provisório porque é ilegítimo. Não é produto do desejo popular”. E crava mais uma vez: “eles montaram um ministério de velhos, ricos e brancos. Sem negros, e sem mulheres”. A platéia se encanta com essa Dilma mais política e menos tecnocrática.

Veja também:  Bolsonaro e a lógica do “governo sitiado”

A fala leva mais de quarenta minutos. Na saída, Dilma não dá entrevista para a imprensa convencional – sócia do golpe. Mas vai para uma sala ao lado do anfiteatro, e conversa mais meia hora com um grupo de blogueiros. Este escrevinhador estava lá.

Dilma não fala com a imprensa golpista, mas conversa com os blogueiros numa roda informal

Dilma não fala com a imprensa golpista, mas conversa com os blogueiros numa roda informal

Ela volta a apontar o dedo de Eduardo Cunha como coordenador do governo golpista: “esse golpe tem endereço, telefone, impressão digital, e foto 3×4”. Ou seja: é um golpe que produziu um “governo provisório” (Dilma repetiu pelo menos 5 vezes essa expressão) completamente rendido a Cunha. “Essa aliança é uma aliança de direita. E não se iludam: quem dá as cartas na liderança do governo, e em vários postos, pra não dizer até mesmo no núcleo duro do governo, é ele [Cunha]”.

Dilma reafirma que tem fé numa reviravolta no Senado. “É minha absoluta obrigação resistir. Vou lutar contra isso até o fim. E ganhar. Só lutar, não. Ganhar!”

Perguntada por um blogueiro sobre a intimação do STF, para que explique por que tem usado a palavra golpe, Dilma foi irônica: “gostei muito, vou fazer um grande esclarecimento (risos); além disso, ninguém pode impedir ninguém de falar em golpe”.

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum

#tags