escrevinhador

por Rodrigo Vianna

19 de março de 2018, 10h44

Estado de exceção: polícia invade o Bip-Bip, bar mais famoso de Copacabana

O guarda da esquina acha que pode tudo; Moro abriu as portas do inferno do arbítrio

Na noite deste domingo, o dono do Bip-Bip (o bar que é uma espécie de templo do samba no Rio) foi “conduzido” para a delegacia.

Não. Ele não roubou um cliente na conta. Ele não bateu num garçom.

Alfredinho (foto), um personagem que promove rodas de samba e exige que os clientes fiquem em silêncio para ouvir os músicos, um sujeito que defende a democracia e a cultura, resolveu promover uma homenagem à vereadora Marielle.

Esse foi o crime de Alfredinho!

Um policial rodoviário (PRF) resolveu se insurgir contra a homenagem. E foi vaiado pelos presentes.

O tal policial se viu no direito de conduzir Alfredinho pra delegacia.

Pra isso, chamou uma viatura da PRF pra frente do bar. Um abuso. O abuso do guarda da esquina.

Mas não haveria o abuso do guarda da esquina sem os abusos de Moro – o juiz das camisas negras.

Vocês lembram da frase do Pedro Aleixo (vice-presidente de Costa e Silva na ditadura, dizendo porque não assinava AI5 (dezembro de 1968) que acabava com o sistema de garantias individuais que ainda sobrevivia (apesar da ditadura iniciada em 1964): “o problema não é o senhor, presidente.  O problema é o guarda da esquina”.

Veja também:  O rei da lava jato e sua prepotência

Hoje, no Brasil, não é só Moro que late seus desatinos, feito um cão de guarda do arbítrio.

Centenas de policiais/juízes/promotores (parte da casta jurídico-policial brasileira) sentem que não há lei que os detenha.

Eles são a lei.

A lei em movimento vale pra grampear advogado de Lula, vale para grampear presidente da República (Moro grampeou Dilma e avisou a Globo que botou grampo ilegal no ar) e para prender o Alfredinho de forma abusiva.

Pensem no absurdo: Polícia Rodoviária (eu disse “Rodoviária”) desloca uma viatura para “conduzir” o dono de um bar em Copacabana.

Qual estrada brasileira passa por Copacabana?

Pelo visto, a estrada do arbítrio e da barbárie.

Essa estrada começa em Curitiba, na vara presidida pelo cão raivoso, passa por São Bernardo (onde os cães querem prender – sem provas – o líder de todas as pesquisas eleitorais), faz uma curva pela Baixada Fluminense e a Maré (onde outros guardas da esquina se sentem poderosos para bater, matar e abusar do povo pobre), e passa em frente ao Alfredinho em Copacabana… até concluir seu trajeto em Brasília.

Veja também:  Aniversariante do dia, FHC é o novo citado da Vaza Jato

Na capital federal, outros cães (covardes, emparedados pela Globo) aceitaram o triste papel de – no STJ –  chancelar o arbítrio.

O arbítrio inaugurado por Moro permite ao guarda rodoviário da esquina conduzir o Alfredinho.

Se o juiz das camisas negras pode conduzir Lula na base da canetada, porque não levar o Alfredinho?

E vão levar cada um de nós!

Tirem as mãos do Alfredinho!

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum