escrevinhador

por Rodrigo Vianna

21 de agosto de 2014, 15h14

Movimento negro constrói unidade para marcha contra PM de Alckmin

Em SP, de 2002 para 2011 houve um aumento de 24% de morte de jovens negros, crescimento de 11.321 para 13.405. Com esse diferencial, a vitimização de jovens negros passa de 71,6% em 2002 para 237,4%.

Da comunicação da marcha

No dia 22 de agosto, o Movimento Negro do Brasil inteiro tomará as ruas de diversas cidades do nosso país denunciando a política genocida do Estado Brasileiro frente ao povo negro. O genocídio em dados:

Em SP, de 2002 para 2011 houve um aumento de 24% de morte de jovens negros, crescimento de 11.321 para 13.405. Com esse diferencial, a vitimização de jovens negros passa de 71,6% em 2002 para 237,4%*. A violência nos três primeiros meses de 2014 em comparação a 2013 apresentaram um aumento de 206,9% do número de pessoas mortas por policiais em serviço.

O aumento sistemático de execuções é uma das faces do genocídio. Ele se expressa de diferentes formas: direta, através da polícia, ou indiretamente, através da omissão das políticas públicas de emprego, moradia, educação, saúde, ou seja, o abandono econômico e social.

A marcha está sendo organizada de maneira unitária por diversas organizações, e garante em seus princípios a não utilização da marcha para fins eleitorais e partidários, tendo como única finalidade a luta pela vida do povo preto!

Além de todas as capitais do Brasil, a Marcha ocorrerá em mais 15 cidades fora do Brasil, contando assim com outras vozes que ecoam dos Estados Unidos, América Latina, Europa, e África! A concentração na cidade de São Paulo está marcada para ás 17:00 no vão livre do MASP.

Veja também:  Globo defende a Lava-Jato e "empata" o jogo

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum