10 de maio de 2018, 18h23

Caetano Veloso critica projeto de ACM Neto que pretende derrubar 154 árvores em Salvador. Vídeo

“Salvador precisa que se plantem árvore nela, não que se cortem árvores”, disse o cantor, que defendeu uma “conversa boa, produtiva, responsável e corajosa” da prefeitura de Salvador com urbanistas e ambientalistas

Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas Caetano Veloso publicou um vídeo em suas redes sociais, no qual faz críticas ao projeto de construção de um BRT (via expressa para ônibus), que será erguido pela administração do prefeito ACM Neto (DEM), em Salvador, Bahia. Segundo informações de João Pedro Pitombo, da Folha de S.Paulo, a iniciativa prevê a retirada de árvores e o fechamento de dois rios para dar lugar a um elevado, que vai ligar a Lapa até a região da rodoviária. Ao todo, serão derrubadas 154 árvores e outras 169 serão retiradas, transportadas e replantadas. O empreendimento será erguido no canteiro...

Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Caetano Veloso publicou um vídeo em suas redes sociais, no qual faz críticas ao projeto de construção de um BRT (via expressa para ônibus), que será erguido pela administração do prefeito ACM Neto (DEM), em Salvador, Bahia. Segundo informações de João Pedro Pitombo, da Folha de S.Paulo, a iniciativa prevê a retirada de árvores e o fechamento de dois rios para dar lugar a um elevado, que vai ligar a Lapa até a região da rodoviária. Ao todo, serão derrubadas 154 árvores e outras 169 serão retiradas, transportadas e replantadas. O empreendimento será erguido no canteiro central de três das principais avenidas da cidade.

“Salvador precisa que se plantem árvore nela, não que se cortem árvores”, disse. O cantor e compositor baiano defendeu uma “conversa boa, produtiva, responsável e corajosa” da prefeitura de Salvador com urbanistas e ambientalistas. “Sem o avanço dessas discussões, não se pode aceitar que se cortem árvores centenárias e que se danifique a paisagem urbana de Salvador, por uma opção de progresso duvidoso”, destacou. O vídeo traz a assinatura da campanha #342Amazônia, criada no ano passado contra o decreto do presidente Michel Temer que autorizaria a exploração mineral em áreas da Amazônia.