AO VIVO
02 de setembro de 2017, 13h49

“Caipira”, de Mônica Salmaso. Um disco maravilhoso

disco, mônica salmaso, caipira, maravilhoso, teco cardoso, neymar dias, nailor proveta, toninho ferragutti, robertinho silva, andré mehmari

Com uma seleção imprescindível e inusitada do gênero, a cantora lança um disco que prima pela excelência, sensibilidade e beleza.

Por Julinho Bittencourt

O novo disco de Mônica Salmaso é, assim como o imaginário do universo do título, aparentemente simples. “Caipira”, aos incautos, pode parecer coisinha à toa, canções de três acordes. Não é nem na origem nem na revivência construída pela cantora, uma das nossas maiores e, sobretudo, com mais acuidade.

Trata-se, sim, de um apanhado de canções maravilhosas, com arranjos enxutos, divinos e, é claro, cantados pela sua voz única, também tão linda e poderosa quanto todo o resto. Elogiar Mônica Salmaso é um pouco chover no molhado. Mas um chover um tanto necessário sobre as sementes que gera.

A história de “Caipira”, segundo conta a própria autora, é fruto de uma pesquisa que começou lá atrás, em 2003, quando preparou um espetáculo para o SESC com canções tradicionais brasileiras. Teve a ajuda luxuosa e imprescindível do violeiro e amigo de tantas jornadas Paulo Freire.

O resultado, conforme já dito acima, é divino, pra dizer o mínimo. “Caipira” é um daqueles discos que a gente ouve, ouve e ouve e cada vez que repete adora e adora.

O trabalho começa com a produção impecável de Teco Cardoso, os arranjos de Neymar Dias, na viola caipira e no baixo acústico e o pequeno e extremamente eficiente grupo de músicos: Nailor Proveta, no clarinete e sax tenor; e Toninho Ferragutti, no acordeon; Robertinho Silva, na percussão e André Mehmari, no piano.

Posto isto, o repertório é um apanhado de canções que, para quem não é familiarizado com o gênero pode parecer homogêneo, no entanto, conta com obras de diversas épocas, matizes, lugares e tendências, o que só embelezou ainda mais o disco.

Tem desde a longínqua e comovente “Leilão”, de Henkel Tavares e Joracy Camargo, de 1933, uma linda história de amor entre dois escravos que são separados na hora da venda da mulher; passa pelo clássico “Bom Dia”, de Gilberto Gil e Nana Caymmi, bela toada que levou uma vaia homérica num festival da canção, mas foi imortalizada por várias gravações seguintes; e chega até os dias atuais, com canções contemporâneas, como “Água da Minha Sede”, de Dudu Nobre e Roque Ferreira, já gravada por Zeca Pagodinho e reinventada por Mônica; até a inédita “Baile Perfumado”, também de Roque Ferreira.

“Caipira” traz várias outras surpresas e uma extrema excelência na sua realização, coisa que é habitual em tudo o que Mônica Salmaso grava, seja dela ou em participações de outros artistas.
Quando vai chegado no seu finalzinho, e a gente já pensa em começar tudo de novo, o disco traz um último presente encantador. A linda toada “Sonora Garoa”, do compositor Passoca é um clássico da canção caipira nascida, surpreendentemente, da chamada vanguarda paulistana. Nesta versão, para finalizar com chave de ouro, Mônica Salmaso e o pianista André Mehmari dão um banho de bom gosto, sensibilidade e beleza.

Um lindo final para um disco maravilhoso.