08 de outubro de 2018, 12h03

Câmara Federal: PT lidera, PSDB e MDB encolhem e PSL aumenta bancada da extrema-direita

Principais articuladores do golpe parlamentar, que tirou Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República, partidos de Aécio Neves (PSDB) e Michel Temer (MDB) saíram derrotados nas eleições legislativas.

Segunda e terceira bancadas mais representativas na Câmara Federal na atual legislatura, MDB e PSDB foram os maiores derrotados nas eleições legislativas deste ano. O PT manteve o posto de partido com o maior número de deputados federais, mesmo perdendo 13 vagas – de 69 atuais para 56 a partir do ano que vem.

Principais articuladores do golpe parlamentar, que tirou Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República, os tucanos perderam 25 das 54 cadeiras e caíram da terceira para a décima legenda em representatividade na Câmara. Dono da segunda maior bancada, atualmente com 66 deputados, o MDB, de Michel Temer, perdeu 32 postos e a partir de 2019 será superado por PSL e PP, ficando em quarto lugar no número de congressistas.

Extrema-direita
A extrema-direita ganhou força na casa. Os votos à reboque da candidatura de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais elegeram 52 deputados federais – ante a apenas 1 que a casa tem atualmente. O PP, um dos principais apoiadores da candidatura do militar, perdeu um posto – de 38 para 37 -, mas elegeu a terceira maior bancada, à frente do MDB.

O número de partidos também cresceu. Das atuais 25 legendas representadas atualmente, serão 30 a partir de 2019 – em 2010 eram 22.

Veja os dados.