ASSISTA
21 de julho de 2014, 17h47

Candidato do PSDB defende a “prevenção ao homossexualismo”; assista

Em vídeo, Matheus Sathler, candidato a deputado federal, acusa o movimento LGBT de querer “destruir a família” e que se for eleito, vai trabalhar para distribuir o "kit macho e o kit fêmea"

Em vídeo, Matheus Sathler, candidato a deputado federal, acusa o movimento LGBT de querer “destruir a família” e que se for eleito, vai trabalhar para distribuir o “kit macho e  o kit fêmea”

Por Marcelo Hailer

Candidato a deputado federal pelo Distrito Federal, Matheus Sathler (PSDB-DF), defende a “prevenção ao homossexualismo”. Em sua página oficial de campanha, Sathler afirma que vai doar 50% do seu salário “para curar as crianças do homossexualismo”. À Revista Fórum, PSDB declarou que o que vale são as “propostas dos candidatos majoritários”.

Em vídeo postado, Sathler se vangloria de ter registrado no Cartório Eleitoral a sua proposta de doar 50% de seu salário para “o combate e as crianças vítimas do estupro pedófilo homossexual”. “Eu também me comprometo a criar o kit macho (sic) e o kit fêmea (sic) um nome carinhoso para poder rivalizar com o kit gay (sic) que está sendo distribuído nas escolas brasileiras e ensinando o homossexualismo”, disse o candidato a deputado federal.

As propostas do candidato em questão vão de encontro com a plataforma política apresentada pelo candidato à presidência da República pelo PSDB, Aécio Neves, que, entre outras coisas, se compromete a dar continuidade ao programa Brasil Sem Homofobia e também a “ampliação da participação da Comunidade LGBT nos debates do Programa Brasil sem Homofobia, e articulação deste programa com as iniciativas estaduais e municipais”.

À Revista Fórum, a assessoria de comunicação do PSDB do Distrito Federal reafirmou o compromisso do partido com a Social Democracia e que tem como marca sempre “dialogar com todos os setores da sociedade”, porém, frisaram que este debate não pode ser feito “da maneira como o candidato (Sathler) coloca”.

Sobre as propostas em si, o partido declarou que as diretrizes que o PSDB segue são as dos “candidatos majoritários”. A assessoria também comentou que a postura do candidato Matheus Sathler pode trazer desgastes desnecessários à candidatura majoritária. “Isso pode trazer problemas pra candidatura do Aécio, que tem uma série de propostas pró LGBT em programa de governo”.

De acordo com assessoria, a executiva do PSDB vai “ver qual é a melhor maneira de estreitar o discurso do candidato à Câmara dos Deputados com o discurso do candidato (Aécio Neves)”.