29 de agosto de 2018, 19h53

Cartas do Pai: “Jornalistas caras de pau”

As emissoras pagam salários, são empresas. Jamais vão estar do lado de quem recebe salário. E nós vamos assistindo esses teatrinhos, torcendo para o pessoal perceber a farsa

Foto: Arquivo pessoal

Rio de Janeiro, 28 de agosto de 2018

Pai,

Tinha te dito que estava querendo que as eleições chegassem logo, né? Pois é, agora quero mais ainda. Que cheguem logo, pois tá duro, viu!

E não é só o dólar subindo, a gasolina cada vez mais cara, o botijão de gás nas alturas e o salário mínimo cada vez mais mínimo…

É que agora começam aquelas “entrevistas” que parecem mais interrogatórios. Mas, lógico, só para alguns candidatos. Pros que estão do lado deles, parece um chá das cinco. Muito bate papo, deixam eles falarem, criam deixas pra exporem suas propostas. Até fingem fazer umas perguntas mais duras, pra disfarçar, mas dão espaço para seus candidatos explicar e se sair bem no final. Uma beleza!

Agora, os outros…

Bem, os outros são outro papo. Perguntas agressivas, olhares de deboche, risadinhas, tom de voz ríspido. Você precisa ver, pai! Interrompem a resposta no meio quando percebem que está conseguindo desenvolver um bom raciocínio. Fizeram isso nas eleições passadas e já estão fazendo nesta de agora.

Afinal, todos tem um lado, e cada um tá defendendo seus direitos. As emissoras pagam salários, são empresas. Jamais vão estar do lado de quem recebe salário. E nós vamos assistindo esses teatrinhos, torcendo para o pessoal perceber a farsa.

E dá-lhe óleo de peroba pra tanta cara de pau desses “jornalistas”.

Um beijo do seu filho,

Ivan