21 de agosto de 2018, 17h35

Cartas do Pai: “Quero o meu país de volta!”

Estou revoltado com o que aconteceu em Roraima, quando um grupo de brasileiros, eleitores de um candidato que apoia a ditadura militar, agrediu e queimou os pertences dos refugiados venezuelanos, um horror!

Foto: Divulgação

Belo Horizonte, 21 de agosto de 2018

Pai,

Ontem, fui à Ribeirão das Neves, numa homenagem que fizeram pra você. Foi muito bacana!

Dessa vez, não deu tempo de visitar a casa onde você nasceu.

Mas ainda estou revoltado com o que aconteceu em Roraima, quando um grupo de brasileiros, eleitores de um candidato que apoia a ditadura militar, agrediu e queimou os pertences dos refugiados venezuelanos, um horror!

Por aí já dá pra ver aonde leva essa coisa de discurso de ódio contra todos, que ele prega. Mas não vou ficar falando desse cara. Perda de tempo.

O importante nesse acontecimento é que isso cria um conflito entre os dois países, na fronteira entre Brasil e Venezuela. Confesso que fiquei bem preocupado.

A resposta veio rápida. A Venezuela já cortou a energia que fornecia pra muitas cidades de Roraima, que dependem da energia deles. Do lado de cá, não vi nenhum movimento pra arrumar a bagunça que os brasileiros fizeram. Mas o que esperar de um governo desses, né?

Os Estados Unidos é que estão gostando. Eles adoram ver conflitos entre dois países cheios de petróleo! Só pra poder intervir. A gente tem que ficar atento!

E, assim, vamos nos afastando de quem nos trata como iguais e aproximando de quem nos olha de cima pra baixo. E pior de tudo, pai. Tem gente que gosta! Gosta de ser tratado como inferior, e enaltecer quem nos trata como lixo!

Você sabe muito bem como é, e o que passou quando esteve por lá!

Fazendo contagem regressiva pras eleições! Agora, quem quer “o meu país de volta!” sou eu!!

Um beijo do seu filho,

Ivan