07 de novembro de 2018, 22h47

Caso de Paulo Preto, operador tucano, fica perto de prescrever

Investigado por cobrança de propinas para o PSDB na gestão de José Serra completa 70 anos de idade no dia 7 de março de 2019

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O processo contra Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, operador do PSDB e alvo de investigações, pode não resultar em nada. Parte dos crimes atribuídos a ele, ex-diretor de Engenharia da Dersa, está muito perto de prescrever, o que já é dado como certo por investigadores do caso, de acordo com José Marques, da Folha de S.Paulo. O motivo para isso é que o operador tucano chega aos 70 anos no dia 7 de março de 2019.

O inquérito, tramitando no Supremo Tribunal Federal (STF), diz respeito à suspeita de cobranças de propinas para o PSDB na gestão José Serra (2007-2011). Segundo documentos, Paulo Preto movimentou 35 milhões de francos suíços, o equivalente hoje a R$ 131 milhões e contas internacionais. No entanto, a legislação indica que, quando alguém alcança 70 anos, o tempo para que um crime prescreva diminui pela metade, o que eliminaria acusações mais antigas em relação a Paulo Preto.