Imprensa livre e independente
06 de abril de 2019, 09h20

Caso Queiroz: MP inclui parentes de milicianos que atuaram no gabinete de Flávio Bolsonaro

Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa aparecem agora na lista de investigados, junto com Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz. O MP suspeita da prática de “rachadinha”, na qual assessores devolvem ao parlamentar parte ou todo o salário que recebem, o que é ilegal

Reprodução
Reportagem de Constança Rezende e Fabio Leite, no blog de Fausto Macedo, no site de O Estado de S.Paulo, revela, neste sábado (6) que a mãe e a mulher do ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega, acusado de integrar a milícia de Rio das Pedras, foram incluídas no processo que investiga as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz. Os três trabalham no gabinete de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa aparecem agora na lista de investigados, junto com o próprio Flávio e com o ex-assessor...

Reportagem de Constança Rezende e Fabio Leite, no blog de Fausto Macedo, no site de O Estado de S.Paulo, revela, neste sábado (6) que a mãe e a mulher do ex-capitão da Polícia Militar Adriano Magalhães da Nóbrega, acusado de integrar a milícia de Rio das Pedras, foram incluídas no processo que investiga as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz. Os três trabalham no gabinete de Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa aparecem agora na lista de investigados, junto com o próprio Flávio e com o ex-assessor Fabrício Queiroz.

O Ministério Público suspeita da prática de “rachadinha”, na qual assessores devolvem ao parlamentar parte ou todo o salário que recebem, o que é ilegal.

As duas trabalharam na assessoria de Flávio até novembro do ano passado, quando o hoje senador era deputado estadual no Rio. Cada uma recebia salário de R$ 6.492. Raimunda também é citada no relatório do Coaf por ter feito repasse de R$ 4.600 para a conta de Queiroz.

Veja também:  Vídeo com vovó arrependida de ter votado em Bolsonaro viraliza nas redes: "É o cão"; assista

Por escrito, Queiroz afirmou que recolhia os salários e os redistribuía por uma rede maior de pessoas, para ampliar a rede de apoio ao parlamentar. Ele disse que Flávio não sabia da prática.

Foram incluídos ainda entre os investigados neste inquérito outros ex-assessores de Flávio citados no relatório do Coaf: Nathalia Melo de Queiroz (filha do Queiroz), Jorge Luís de Souza e Marcia Cristina dos Santos.

Leia a reportagem na íntegra

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum