09 de agosto de 2018, 14h49

Centrais e frentes Brasil Popular e Povo sem Medo preparam o “Dia do Basta”

Atividades, que visam protestar contra a situação do país após o golpe, estão programadas para todas as regiões; em São Paulo será em frete à Fiesp, à Avenida Paulista

Por RBA

 

O chamado “Dia do Basta”, nesta sexta-feira (10), terá atos em todo o país, com destaque para a concentração na Avenida Paulista, em São Paulo, diante da Federação das Indústrias do Estado (Fiesp). “O símbolo do empresariado brasileiro, porque são os empresários os reais construtores desse golpe que destruiu a legislação trabalhista e piorou a nossa vida, empobreceu a classe trabalhadora”, afirma o presidente da CUT, Vagner Freitas.

O dia nacional de protesto é convocado pelas centrais sindicais e pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo. “Vamos mostrar a nossa resistência à tragédia que se abateu sobre este país desde o golpe, em 2016”, diz Vagner.

“Vamos mandar um recado aos golpistas, dar um basta ao desemprego, ao bico no lugar de trabalho formal com carteira assinada, à desesperança de 65 milhões de brasileiros e brasileiras que, desempregados, não encontram mais forças nem esperança para buscar espaço no mercado de trabalho”, acrescenta o dirigente da CUT.

A data foi aprovada em junho pelas centrais, juntamente com a chamada “agenda prioritária da c lasse trabalhadora”, com 22 propostas das entidades para os candidatos nas eleições deste ano (confira os itens abaixo no link da RBA). Alguns candidatos já receberam o documento, como Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Ciro Gomes (PDT), além da então pré-candidata do PCdoB, Manuela D´Ávila, e líderes partidários no Congresso.

Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Wagner Santana, o Wagnão, é dia de demonstrar indignação contra a retirada de direitos. “Vamos tomar a Avenida Paulista. Todo o estado de São Paulo está representando. Estaremos lá, demonstrando a nossa força para dizer que o país que nós queremos não é o que está aí colocado”.