21 de dezembro de 2017, 10h41

Cinco livros para conhecer mulheres notáveis

Por Thaís Campolina

A história das mulheres e seus feitos foi ignorada e invisibilizada por séculos, mas já algum tempo, pessoas tentam resgatar informações sobre a trajetória de mulheres incríveis. As páginas Mulheres Notáveis e As Mina na História são exemplos de iniciativas online que buscam retirar o manto de invisibilidade dessa história oculta pelo machismo e muitas vezes também pelo racismo.

Nessa mesma linha, há alguns livros que são ótimas fontes para conhecer um pouco mais sobre trajetórias e realizações femininas. Confira a lista:

“As cientistas — 50 mulheres que mudaram o mundo” –  Rachel Ignotofsky

“As cientistas”, livro escrito e ilustrado por Rachel Ignotofsky, reúne informações sobre 50 de mulheres que atuaram na ciência e me cativou pela sua importância para crianças e adolescentes. Seu conteúdo é um tapa na cara de todos os caras que duvidam da capacidade feminina de descobrir, inventar e pesquisar. Na página de divulgação do livro no Facebook, há cards com breves informações de Ada Lovelace, Mary Anning, Patricia Bath, Valentina Tereshkova e outras. 

Resenha aqui.

“Histórias de ninar para garotas rebeldes” –  Elena Favilli e Francesca Cavallo

“Lugar de mulher é onde ela quiser;’ é a essência dessa obra. Piratas, espiãs, escritoras, cientistas, atletas e várias outras possibilidades lotam as páginas através de fábulas que contam os feitos de 100 mulheres nesse livro cheio de ilustrações. Linguagem bem simples, ideal para crianças, não só para meninas como o título dá a entender. 

Resenha aqui.

“Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis” – Jarid Arraes

A literatura de cordel ganhou o Brasil através do livro “Heroínas negras brasileiras”, obra escrita por Jarid Arraes. Através de versos poéticos e ritmados, o livro nos apresenta 15 histórias de mulheres negras notáveis, mas desconhecidas por causa do racismo e do machismo. 

A trajetória de mulheres como Antonieta de Barros, Carolina Maria de Jesus, Tereza de Benguela, Zacimba Gaba, Luísa Mahin e Aqualtune são contadas na obra. No fim do livro, Jarid nos convida a escrever um cordel sobre alguma heroína negra brasileira que ficou de fora do livro e construir uma memória que inclua mulheres negras como notáveis.

Resenha aqui.

“Wonder Women, 25 mulheres inovadoras, inventoras e pioneiras que fizeram a diferença” – Sam Maggs

Sam Maggs reuniu nesse livro a história de mulheres de diferentes áreas, incluindo aventureiras. O livro apresenta nomes bem pouco conhecidos, como Alice Ball, química e pesquisadora médica dos EUA, e mostra as dificuldades enfrentadas pelas mulheres para viver e trabalhar de acordo com o que acreditavam. O livro é bem pesquisado, escrito com leves toque de humor e conta com informações mais detalhadas sobre o caminho que cada uma delas percorreu.

Resenha aqui.

“Dicionário Mulheres do Brasil, de 1500 até a atualidade” – organizado por Schuma Schumaher e Érico Vital Brazil

A história do Brasil é narrada sem lembrar das mulheres que fizeram parte dela, esse livro veio para preencher as lacunas deixadas por essa versão masculina e branca do passado. Esse livro conta com 900 verbetes em ordem alfabética e é ótimo para fazer consultas e pesquisa. Pioneiras, advogadas, feministas históricas, escritoras, parteiras, artistas, cangaceiras e muitas outras são lembradas na obra.

MENÇÃO HONROSA:

O livro “Você é feminista e não sabe”, escrito por Angélica Kalil e ilustrado por Mariamma Fonseca, não tem o mesmo estilo dos demais citados, mas merece menção por falar sobre feminismo através de entrevistas com mulheres como Djamila Ribeiro, Manuela D’Ávila, Mariana Varella e Ana Lúcia Keunecke. O livro fala sobre cultura do estupro, violência doméstica, Simone de Beauvoir, mitologia e outros assuntos. Há também a participação de um homem,  Marcos Rolim. Foi financiado através do catarse.


#tags