Imprensa livre e independente
21 de abril de 2019, 12h31

Ciro Gomes chama novamente PT de “quadrilha” e diz que nunca mais se associa ao partido

Ex-ministro também não poupou críticas ao governo atual: “É orgânico ao Bolsonaro, na sua compreensão de vida, essa completa falta de comprometimento com qualquer coisa séria”

Foto: PDT na Câmara
O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), candidato à presidência nas eleições de 2018, voltou a desferir sua “metralhadora verbal” contra o PT e o presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista à Grasielle Castro, do HuffPost Brasil, ele chamou novamente o PT de “quadrilha”, declarou que a cúpula do partido “apodreceu” e que “nunca mais” se associará ao PT. Apesar da atitude, Ciro nega que a raiva tenha como motivo uma mágoa do último processo sucessório, quando o ex-presidente Lula teria agido para isolar o pedetista. “Um cara como eu, com 40 anos de vida pública, não faz mágoa, faz política. Quando eles...

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), candidato à presidência nas eleições de 2018, voltou a desferir sua “metralhadora verbal” contra o PT e o presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista à Grasielle Castro, do HuffPost Brasil, ele chamou novamente o PT de “quadrilha”, declarou que a cúpula do partido “apodreceu” e que “nunca mais” se associará ao PT.

Apesar da atitude, Ciro nega que a raiva tenha como motivo uma mágoa do último processo sucessório, quando o ex-presidente Lula teria agido para isolar o pedetista. “Um cara como eu, com 40 anos de vida pública, não faz mágoa, faz política. Quando eles fizeram o que fizeram, eles estavam fazendo política. Agora eles (PT) aguentem, agora eu estou fazendo política”.

Sobre o governo Bolsonaro, ele aposta que “ainda vem muita confusão por aí. Ele (Mourão) está de olho, e de olho gordo, não está disfarçando”, disse.

Veja algumas declarações de Ciro Gomes:

“Lamentavelmente, eu imagino que o Brasil caminha a passos muito acelerados para uma grande confusão. Não estou vendo golpe, não estou vendo impedimentos. Os políticos sabem que cometeram um erro grave com o impedimento da (ex-presidente) Dilma (Rousseff), não vão cometer o mesmo erro agora. Vão tentar tutelar o Bolsonaro com essas coisas de um parlamentarismo de fato, que vai constrangendo, e os militares, ainda nos bastidores, vão tentar moderar. Mas é orgânico ao Bolsonaro, na sua compreensão de vida, essa completa falta de comprometimento com qualquer coisa séria”.

Veja também:  Maioria do STF vota por criminalizar homofobia e transfobia

“Agora Bolsonaro diz aos grupos de interesse o que eles querem ouvir. Por exemplo, para os amigos dele aí, esses corruptos da comunidade judaica, que acham que, porque são da comunidade judaica, têm direito de ser corrupto. Corrupto, para mim, não interessa se é curdo ou cearense. Corrupto é corrupto, ladrão é ladrão. Ele (Bolsonaro) disse para eles que ia transferir a embaixada do Brasil (de Tel Aviv para Jerusalém) a custo de grana para campanha. Depois chegou lá dizendo que não vai mais porque ele pensou que era, mas não era. Disse para os caminhoneiros que ia congelar o diesel e disse para o mercado que ia deixar a política de preços a mesma coisa. Só que isso se faz para demagogia, sem imprensa e sem ir ao debate. Para governar, não dá. Você vai ver a confusão que vem nesse ponto ‘petróleo e caminhoneiros’”.

“O Mourão está olhando para a cadeira do Bolsonaro com a cobiça que ele não consegue esconder. E está muito bem assessorado – ele nunca foi desse tipo de habilidade. Agora está sempre na boa. Vi um discurso do Mourão dizendo que o gesto do Supremo (de determinar que a reportagem da Crusoé fosse tirada do ar) foi censura, baseado em diploma da ditadura militar. Vi o Mourão lá nos Estados Unidos se gabar em relação ao general Geisel, porque ele foi eleito e o Geisel, não. Enfim, quem quiser comprar esse papo compre, eu não entro nesse papo não. Ele está de olho (na cadeira de presidente), e de olho gordo, não está disfarçando”.

Veja também:  Líder de Bolsonaro na Câmara aos gritos: “A Bahia é um lixo governado pelo PT”. Vídeo

Sobre a repercussão em setores da esquerda em relação à atuação da deputada Tabata Amaral (PDT-SP) – “São dores do parto. Essa cúpula do PT apodreceu. É impressionante. Você vê que as pessoas não têm memória, não querem ter, mas o PT faz igualzinho o PSDB mais corrupto. Igual. O PSDB, por exemplo, tinha o CNI/Ibope para fraudar pesquisa de todo jeito, eles (PT) têm Vox Populi/CUT. Na véspera da eleição, Haddad ‘perdidaço da Silva’, a CUT anunciou com grande repercussão na mídia que tinha uma pesquisa Vox Populi que indicava 50% a 50% (na disputa com Bolsonaro). E pronto, passa. Viraram isso, uma aberração. Tudo que é novo para eles é um insulto. Eles não conseguem sobreviver. Qual a liderança nova que apareceu no PT? Aí aparece uma jovem, nascida na favela, filha de mãe trabalhadora, de pai trabalhador, que sacrificou sua vida inteira. Uma jovem que, por mérito próprio, ganha bolsa porque conquistou uma Olimpíada de Matemática, brilha com 25 anos e vai lá e enquadra os velhacos do Congresso ligeirinho. Os caras enlouquecem, é quase um chute na mediocridade corrupta deles”.

Veja também:  Após Bolsonaro, abaixo-assinado e evento no Facebook querem Moro fora de conferência em Portugal

Leia aqui a entrevista completa

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum