13 de setembro de 2018, 08h58

Claramente relacionado a Lula, Haddad ultrapassa Bolsonaro, diz pesquisa CUT/Vox Populi

Bolsonaro é o candidato com o maior índice de rejeição, com 57%

20/09/2016- São Paulo- SP, Brasil- O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva junto com o prefeito de São Paulo, Fernando Hadaad (PT-SP), no Instituto Lula. Foto: Ricardo Stuckert

De acordo com a nova pesquisa CUT/Vox Populi, divulgada nesta quinta-feira (13), quando é claramente apresentado aos eleitores como o candidato do ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), alcança 22% de intenção de votos e assume a liderança na disputa.

Jair Bolsonaro, do PSL, aparece em segundo, com 18%. Ciro Gomes, do PDT, registra 10%, enquanto Marina Silva, da Rede, e Geraldo Alckmin, do PSDB, aparecem com 5% e 4%, respectivamente. Brancos e nulos somam 21%.

O Vox Populi ouviu 2 mil eleitores em 121 municípios entre 7 e 11 de setembro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para cima ou para baixo. O índice de confiança chega a 95%.

O instituto tomou a decisão de associar Haddad diretamente a Lula no questionário, ao contrário das demais empresas de pesquisa. Segundo Marcos Coimbra, diretor do Vox Populi, não se trata de uma indução, mas de fornecer o máximo de informação ao eleitor. “Esconder o fato de que o ex-prefeito foi indicado e tem o apoio do ex-presidente tornaria irreal o resultado de qualquer levantamento. É uma referência relevante para uma parcela significativa dos cidadãos. Chega perto de 40% a porção do eleitorado que afirma votar ou poder votar em um nome apoiado por Lula”.

O Vox realizou diversas simulações de segundo turno. Bolsonaro venceria Alckmin (25% a 18%), empataria tecnicamente com Marina (24% a 26%) e perderia para Ciro (22% a 32%) e Haddad (24% a 36%). O pedetista e o petista vencem os demais. O instituto não fez a simulação de um confronto entre os dois.

Ciro Gomes é o menos rejeitado (34%) entre os cinco candidatos mais bem posicionados. Haddad tem a segunda menor taxa, 38%. No outro extremo, com 57%, aparece Bolsonaro.

Leia mais detalhes na Carta Capital