#Rodrigo Perez Oliveira

08 de novembro de 2018, 15h39

O primeiro erro de Jair Bolsonaro

Rodrigo Perez Oliveira: “Moro quer a cadeira onde Bolsonaro está sentado. Não duvido que em seus pensamentos mais íntimos, Moro se ache mais merecedor da cadeira do que o presidente eleito”


31 de outubro de 2018, 16h27

O 18 Brumário de Jair Bolsonaro

Em novo artigo, Rodrigo Perez Oliveira diz: “Bolsonaro não surgiu ontem. Ignoramos, não prestamos atenção, subestimamos, debochamos. Acreditamos que o Brasil não se rebaixaria tanto assim. No fundo, bem no fundo, nos iludimos, achando que o Brasil tinha melhorado. Melhorou não. É isso aí mesmo. Sempre foi”


14 de outubro de 2018, 14h41

A refundação do antipetismo

Rodrigo Perez Oliveira: “Creio que hoje, a frente antipetista esteja em um momento de reflexão, assustada com o monstro que criou e sobre o qual perdeu o controle”


26 de setembro de 2018, 20h22

A radicalização da luta de classes no Brasil

Rodrigo Perez Oliveira analisa o cenário político que está sendo proposto para o segundo turno: “É conflito racial, é disputa entre gêneros. É, antes de qualquer coisa, luta de classes, a velha luta de classes. Desde sempre, a história humana é a história da luta de classes”


12 de setembro de 2018, 15h48

As cicatrizes que a facada não deixou

Em novo artigo, Rodrigo Perez Oliveira diz: “O impacto da peixeira de Adélio foi grande mesmo no intestino grosso de Bolsonaro. Na corrida eleitoral, não passou de um arranhãozinho”


06 de setembro de 2018, 14h27

A antecipação do voto útil e a tragédia política brasileira

Rodrigo Perez Oliveira: “. A eleição em que o favorito disparado não pode concorrer já nasce com aparência de golpe preventivo. Apenas Lula venceria pelo voto. Os outros só podem vencer pelo veto”


23 de agosto de 2018, 13h59

Novas práticas de resistência para novos tipos de golpe

Rodrigo Perez Oliveira, em novo artigo, diz: “Se fosse outro preso, o golpe não sacrificaria o pouco de credibilidade internacional que ainda lhe resta. Lula vale o esforço. Com Lula, tudo é diferente. É que Lula não é um preso comum, é um preso político”


16 de agosto de 2018, 13h29

Fernando Haddad: o bacharel que o lulismo escolheu para chamar de seu

Rodrigo Perez Oliveira, em novo artigo, diz: “A grandeza do protagonista transformou o lulismo em um capital político que, no limite, é intransferível. Hoje, nenhuma liderança viva, a não ser o próprio Lula, é capaz de se apropriar plenamente do lulismo”


07 de agosto de 2018, 10h30

Uma conversa sincera sobre alianças políticas

Rodrigo Perez Oliveira, em novo artigo, escreve: “Verdade, verdade mesmo é que ninguém é mocinho nessa história, tampouco vilão. Tanto Ciro como PT são players se movimentando no tabuleiro da política”


24 de julho de 2018, 10h47

A farinata do Doria x o Bolsa Família

Rodrigo Perez Oliveira destaca que “a diferença entre a sonegação e a corrupção é meramente cronológica. O sonegador rouba o dinheiro antes que ele entre nos cofres públicos. O sonegador é o corrupto rápido no gatilho”


10 de julho de 2018, 14h31

Crônica de um domingo de crise

Rodrigo Perez Oliveira destaca: “Moro, colocando os pés pelas mãos, mordeu a isca lançada pelas lideranças petistas. Ao assinar documento oficial, em férias, interferindo em um processo que não mais lhe dizia respeito, Moro escancarou o que já era óbvio: Lula não é um preso comum”


04 de julho de 2018, 13h29

Copa do Mundo e festa de caboclos na Bahia

Em novo texto, Rodrigo Perez Oliveira escreve: “Nas ruas do Pelourinho, o casal de Caboclos passava, semeando a esperança no coração de gente tão sofrida. E no bar, ao meu lado, bem pertinho, a cabocla, com sua inteligência política prática, me ensinava a acreditar no improvável”


25 de junho de 2018, 13h39

Ninguém fica indiferente a uma Copa do Mundo

Rodrigo Perez Oliveira avalia que “no mundo novo que se quer construir terá que sobrar algum espaço para comportamentos considerados inadequados”


13 de junho de 2018, 21h32

Ciro Gomes: muita coragem e pouco juízo

Rodrigo Perez Oliveira analisa o horizonte que o cenário eleitoral começa a desenhar para o campo político progressista


07 de junho de 2018, 13h37

A elite brasileira vê no parlamentarismo a possibilidade de uma democracia sem povo

Em novo texto, Rodrigo Perez Oliveira critica o parlamentarismo: “Seria capaz de reivindicar a formalidade democrática e expulsar a vontade popular do jogo político, pra sempre”