21 de fevereiro de 2019, 18h55

Com placar de 4 a 0 favorável a enquadrar homofobia como racismo, votação é suspensa

Até o momento, votaram os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso; julgamento não tem data para ser retomado

Foto: Agência Brasil
O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, nesta quinta-feira (21), o quarto dia de julgamento a respeito da criminalização de condutas discriminatórias contra a comunidade LGBTI. Até agora, o placar aponta 4 a 0 a favor de enquadrar a homofobia e a transfobia como crime de racismo, de acordo com informações de Rosanne D’Agostino e Mariana Oliveira, no G1. Duas ações pedem a criminalização de todas as formas de ofensas, individuais e coletivas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual e/ou identidade de gênero, real ou suposta, da vítima. Os dois relatores das ações, os ministros Celso de Mello e...

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, nesta quinta-feira (21), o quarto dia de julgamento a respeito da criminalização de condutas discriminatórias contra a comunidade LGBTI. Até agora, o placar aponta 4 a 0 a favor de enquadrar a homofobia e a transfobia como crime de racismo, de acordo com informações de Rosanne D’Agostino e Mariana Oliveira, no G1.

Duas ações pedem a criminalização de todas as formas de ofensas, individuais e coletivas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual e/ou identidade de gênero, real ou suposta, da vítima.

Os dois relatores das ações, os ministros Celso de Mello e Edson Fachin entenderam que o Congresso Nacional foi omisso ao discutir o tema e que ocorreu uma demora inconstitucional do Legislativo em aprovar uma lei para proteger homossexuais e transexuais. Por isso, cabe ao Supremo aplicar a lei do racismo para preencher essa lacuna.

Pouco antes das 18h30, após quatro votos, o julgamento foi suspenso por Dias Toffoli, presidente do STF. Ainda não há data para a retomada da análise.

Argumentos

Em seus votos, os ministros do STF mostraram as razões que os levaram a votar favoravelmente ao enquadramento da homofobia e da transfbia ao crime de racismo.

Fachin

O ministro Edson Fachin argumentou que a proteção de direitos fundamentais permite ao Supremo a interpretação de crimes sem que haja interferência na atividade legislativa. Disse, ainda, que falta uma lei específica, o que inviabiliza o exercício de direitos da comunidade LGBTI.

Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes disse: “Há uma constante discriminação homofóbica e transfóbica arraigada em muitas pessoas que compõem a população. […] Esse estado de mora exige há 30 anos uma edição de lei por parte do Congresso Nacional”.

Barroso

Luís Roberto Barroso ressaltou: “Não escapará a ninguém que tenha olhos de ver e coração de sentir que comunidade LGBT é grupo vulnerável, vítima de preconceitos e de violência”.

Celso de Mello

Na quarta-feira (20), Celso de Mello havia afirmado que há “omissão” e demora inconstitucional por parte do Poder Legislativo ao não votar a criminalização da homofobia. Para o ministro, “mostra-se indispensável que o Estado proteja os grupos vulneráveis”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.