Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

26 de março de 2019, 11h47

Com reforma da previdência ameaçada, Paulo Guedes desiste de dar explicações ao Congresso

Proposta foi enviada em fevereiro e está em discussão na Comissão de Constituição e Justiça. Ministro desistiu em meio à crise de Bolsonaro com o Congresso, por medo de ficar vulnerável à críticas

Paulo Guedes (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Aguardado na Câmara dos Deputados para explicar a parlamentares a proposta de Reforma nas aposentadorias proposta pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia Paulo Guedes desistiu de comparecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na tarde desta terça-feira (26). Enviada pelo governo ao parlamento, a reforma começa a tramitar na CCJ.

Conforme apurado pelo blog havia um temor entre integrantes do Planalto de que os partidos da base “aliada” ao governo promovessem um esvaziamento e pudessem deixar o ministro exposto para críticas de parlamentares oposição.

Para o líder da oposição Alessandro Molon (PSB-RJ) a desistência de Guedes é muito ruim. “Ela deixa clara a insegurança do ministro em relação à proposta do seu governo. Tudo leva a crer que o ministro não está seguro dos números e das projeções que fundamentam a sua Reforma da Previdência”, declarou Molon.

De acordo com a assessoria do Ministério da Economia, parlamentares recomendaram ao ministro que ele não fosse à CCJ nesta terça porque não haveria relator definido para a reforma da Previdência.

Nos últimos dias a crise entre Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara Rodrigo Maia se acirrou, colocando em risco a aprovação e andamento da Previdência.

A ida do ministro à CCJ estava prevista para ele dar explicações aos parlamentares sobre a reforma da Previdência.

Por meio de nota, o Ministério afirma que técnicos representarão o ministro na comissão e que ele deve comparecer à Casa assim que o relator da proposta seja escolhido.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.