Imprensa livre e independente
15 de março de 2018, 12h35

Comissão de deputados acompanhará investigação da morte de Marielle Franco e Anderson Gomes

Comissão instituiu grupo que acompanhará em caráter de urgência o assassinato

Por Câmara dos Deputados A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), por iniciativa do seu presidente, deputado Paulão (PT-AL), instituiu em caráter de urgência um grupo de parlamentares para acompanhar as investigações em torno do assassinato da vereadora pelo Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorrido hoje (14/03) no centro da capital carioca. O grupo será coordenado pelo deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) e será composto por outros quatro parlamentares do Rio: Benedita da Silva (PT), Jean Wyllys (PSOL), Glauber Braga (PSOL) e Wadih Damous (PT). Sua tarefa será acompanhar, em...

Por Câmara dos Deputados

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM), por iniciativa do seu presidente, deputado Paulão (PT-AL), instituiu em caráter de urgência um grupo de parlamentares para acompanhar as investigações em torno do assassinato da vereadora pelo Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, ocorrido hoje (14/03) no centro da capital carioca.

O grupo será coordenado pelo deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) e será composto por outros quatro parlamentares do Rio: Benedita da Silva (PT), Jean Wyllys (PSOL), Glauber Braga (PSOL) e Wadih Damous (PT). Sua tarefa será acompanhar, em nome da CDHM, todos os desdobramentos de apuração do episódio, oficiar autoridades e cobrar medidas visando a elucidação do crime.

Segundo relatos divulgados pela imprensa, o carro em que estava Marielle e mais duas pessoas foi alvejado com vários tiros por outro veículo que emparelhou com o que estava a vereadora. Além de Marielle, o motorista de seu carro, ainda não identificado, também morreu. As informações dão conta que uma pessoa sobreviveu aos disparos.

Veja também:  Acusado de matar Marielle, vizinho de Bolsonaro tinha facilidades para importar armas como "colecionador e atirador"

Com um histórico de luta em defesa dos direitos humanos de negros e negras, bem como de populações marginalizadas do Rio, sobretudo moradores de comunidades, e nascida no Complexo da Maré, Marielle assumiu, recentemente, relatora da Comissão que acompanha a intervenção federal no Rio, que tinha como finalidade fiscalizar o poder público, visitar territórios e solicitar informações sobre a intervenção no município.

Além disso, Marielle denunciou uma ação de policiais militares do 41 BPM na Favela de Acari, após denúncias de truculência durante a abordagem de moradores.

Sua atuação como defensora de direitos humanos, liderando processos de denúncias de violações como as relatadas acima, colocam Marielle como um alvo em potencial de organizações criminosas e grupos interessados na perpetuação de desrespeito aos direitos humanos do povo do Rio de Janeiro. Portanto, é fundamental o engajamento da CDHM no sentido de cobrar providências e respostas a este crime tão brutal.

Por fim, presto solidariedade aos familiares, amigos e companheiros de caminhada da vereadora Marielle, em especial a todos os filiados do PSOL, e informo que a assessoria técnica da CDHM estará à disposição da comissão de parlamentares denotando prioridade total ao caso.

Veja também:  Joice Hasselmann revela porões do PSL e acusa Carla Zambelli de nepotismo cruzado: "Também é corrupção"

Deputado Paulão

Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum