blogdaeconomiapolitica

20 de outubro de 2014, 14h27

Como desmontar o estoque de reservas cambiais brasileiras: a proposta dos tucanos

Tucanos, há muito, sentem nojo de reservas cambiais. É fácil entender. Em situações de dificuldades, sem reservas, são obrigados a elevar juros. E aí satisfazem suas bases econômicas, financeiras, políticas e ideológicas.

A origem da aversão às reservas cambiais brasileiras.

Se eleito, Aécio Neves vai acabar com as reservas.

Armínio Fraga, ministro da Fazenda desejado por Aécio, declarou recentemente que a política de intervenções cambiais do Banco Central (BC) não seria mantida. Tal política busca reduzir volatilidades e desvalorizações abruptas da taxa de câmbio. Disse Armínio Fraga:

“A INTERVENÇÃO SERIA REMOVIDA IMEDIATAMENTE E O ESTOQUE SERIA DESMONTADO AO LONGO TEMPO”.

Armínio Fraga se refere, em verdade, a desmontar o estoque de reservas (que é o que permite, em última instância, qualquer operação cambial por parte do BC). De fato, sem reservas é quase impossível fazer uma política cambial eficaz. Mais ainda: as reservas se tornariam inúteis se há a decisão de não haver qualquer intervenção cambial. Mas, na visão tucana, é melhor nem tê-las. Não é à toa que as reservas tinham um nível muito baixo durante os governos FHC (1995-2002). Combatiam pressões cambiais com taxas de juros elevadas.

Tucanos, há muito, sentem nojo de reservas cambiais. É fácil entender. Em situações de dificuldades, sem reservas, são obrigados a elevar juros. Elevam!!! E aí satisfazem suas bases econômicas, financeiras, políticas e ideológicas. Pregam esta estratégia faz tempo, o primeiro registro oficial documentado é de 1993.

O documento, que apresento, foi lançado em novembro de 1993. É documento raro. Nesta época, o presidente do Banco Central era Pedro Malan. O diretor de relações internacionais do BC era Gustavo Franco. A economia era comandada pelos tucanos. O documento “O Regime Cambial Brasileiro” era, de fato, uma receita de passo a passo de como acabar com as reservas em dólares do país. Era uma cartilha que ensinava como retirar recursos do Brasil. Mais: estimulava a retirada de recursos do país.

Esse documento foi apelidado pelo mercado financeiro de LIVRETO BRANCO DA SACANAGEM CAMBIAL, é o que foi dito por um funcionário do BC em depoimento ao Ministério Público que tentou investigar o caso.

O documento é uma cartilha, ensina o passo a passo tecnicamente. Mas para ficar bem claro para aqueles que não entendiam, o BC deixou as formalidades de lado e apresentou a receita de maneira informal:

“ISSO SIGNIFICA QUE, SE UM AGENTE QUISER FAZER UMA REMESSA PARA EXTERIOR, BASTA QUE DEPOSITE … EM UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA … E DEIXE QUE ELA FAZ O RESTO”.

O documento “O Regime Cambial Brasileiro” é um exame de DNA da proposta de Armíno Fraga e Aécio Neves que desejam desmontar o estoque de reservas cambiais brasileiras. Veja abaixo.

DOC CAMBIAL 1

DOC CAMBIAL 2

DOC CAMBIAL 3

DOC CAMBIAL 4