ASSISTA
18 de novembro de 2015, 14h41

Confira fotos da Marcha das Mulheres Negras em Brasília

Cerca de 10 mil ativistas se reuniram na capital do país para reivindicar políticas de combate à discriminação e à violência. Entre 2003 e 2013, a quantidade de mulheres negras mortas cresceu 54%, enquanto o número de mulheres brancas assassinadas caiu 10% no mesmo período.

Cerca de 10 mil ativistas se reuniram para reivindicar políticas de combate à discriminação e à violência. Entre 2003 e 2013, a quantidade de mulheres negras mortas cresceu 54%, enquanto o número de mulheres brancas assassinadas caiu 10% no mesmo período

Por Maíra Streit, de Brasília

Na capital do país, o dia foi de luta contra o racismo. Ativistas de norte a sul se reuniram nesta quarta-feira (18) para a 1ª Marcha Nacional das Mulheres Negras, que tomou as ruas da cidade. Segundo a organização, cerca de 10 mil pessoas participaram do ato, que teve por objetivo chamar a atenção para o combate à discriminação e para a necessidade de ampliação das políticas públicas de promoção da igualdade.

De acordo com o Mapa da Violência 2015, divulgado neste mês pela Faculdade Latino-Americana de Estudos Sociais, a quantidade de mulheres negras mortas cresceu 54% de 2003 a 2013, enquanto o número de mulheres brancas assassinadas caiu 10% no mesmo período. As estatísticas mostram que os desafios ainda são grandes para a superação do preconceito e da violência contra este que é considerado o segmento mais vulnerável da população.

Para a ministra Nilma Lino Gomes, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), o evento mostra a capacidade de articulação e mobilização das mulheres negras de todo o Brasil. Ela destaca a importância de valorizar o protagonismo de pessoas que normalmente têm poucas oportunidades de expressão.

“Se for pensar na luta e na força, elas têm esse comando todo dia, só que muitas vezes é invisibilizado na nossa sociedade por um imaginário racista, por um imaginário sexista. Então, a Marcha é um momento de as mulheres negras colocarem essa visibilidade nacional e internacionalmente”, ressalta.

Essa é também a opinião da deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), que fez questão de pontuar a baixa representatividade do setor na política e a necessidade de vigilância para que não haja retrocessos nas discussões que permeiam o Congresso Nacional.

A colega de partido e ex-ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário (RS), lembrou que há apenas três parlamentares negras na Câmara e isso precisa ser mudado. Para a deputada, é fundamental que essa população ocupe os espaços de decisão e, assim, possa lutar por mais direitos. “Elas ainda são a base da pirâmide”, alerta.

Confira abaixo as fotos do evento:

DSC_0825

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0868

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0893

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0838

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0897

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0815

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0869

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0832

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0888

(Foto: Arnaldo Saldanha)

DSC_0846

(Foto: Arnaldo Saldanha)