COMPRE JÁ
13 de Março de 2018, 12h41

Convidado pelo PT, Lédio Rosa de Andrade deve ser candidato a governador de SC

Desembargador foi um dos principais defensores do ex-reitor da UFSC, que se suicidou após prisão arbitrária; ele anunciou aposentadoria do Poder Judiciário e deve iniciar carreira política

Em 2017, o desembargador Lédio Rosa de Andrade relatou a gravidade do que ocorreu com ex-reitor da UFSC, exigindo rigorosa investigação dos responsáveis pela tragédia – Foto: Reprodução/Facebook

O desembargador Lédio Rosa de Andrade, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, postou, em sua página no Facebook, que está se aposentando após 35 anos de atuação no Poder Judiciário. No entanto, ele tem grandes chances de dar início a uma nova carreira. A convite do Partido dos Trabalhadores (PT), Lédio pode ser candidato a governador de Santa Catarina. Segundo o Blog do Prisco, o convite formal para a filiação na sigla foi feito na noite desta segunda-feira (12), durante reunião em Florianópolis, que contou com a presença de representantes de movimentos sociais e lideranças políticas, como o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, e o presidente estadual do partido, Décimo Lima. Caso não concorra ao governo do estado, Lédio pode sair para o Senado.

As negociações a respeito de uma possível filiação de Lédio ao PT vêm de longa data e começaram em função da amizade que o desembargador tem com o ex-deputado petista Jaílson Lima da Silva. Nesta terça-feira (13), em seu Twitter, o ex-candidato a vereador de Itajaí (SC), pelo PT, Guido Rezende, ratificou a informação.

Lédio Rosa de Andrade é dono de uma trajetória de lutas junto aos partidos de esquerda, desde a época de política estudantil. Em 2017, se transformou em um dos principais defensores do ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luis Carlos Cancellier de Olivo, que se suicidou após arbitrária e violenta prisão conduzida pela Polícia Federal, durante a Operação Ouvidos Mucos. Foi, inclusive, entrevistado pela Fórum e, na oportunidade, relatou a gravidade do que ocorreu com Cancellier, seu amigo de infância, exigindo rigorosa investigação dos responsáveis pela tragédia. Durante inúmeros eventos em homenagem ao ex-reitor da UFSC, foi escolhido para falar em nome da família.