Imprensa livre e independente
23 de maio de 2013, 21h04

Cooperifa participa de Semana da Literatura Marginal em Berlim

Sérgio Vaz leva poesia da Cooperifa, coletivo do Capão Redondo, zona sul de São Paulo, a evento na Alemanha

Sérgio Vaz leva poesia da Cooperifa, coletivo do Capão Redondo, zona sul de São Paulo, a evento na Alemanha  Por Tainã Mansani, de Berlim Sérgio Vaz na Embaixada do Brasil em Berlim (Foto: Tainã Mansani) “Com licença, vou ler a minha poesia do modo como eu faço lá na mesa do bar.” Assim estreou nesta terça-feira (22), na Embaixada do Brasil em Berlim, o poeta e ativista cultural Sérgio Vaz, recitando um dos seus poemas sobre a vida na periferia de São Paulo para uma plateia com cerca de cem pessoas. A apresentação inaugurou a semana de atividades que acontecem entre os dias 22...

Sérgio Vaz leva poesia da Cooperifa, coletivo do Capão Redondo, zona sul de São Paulo, a evento na Alemanha 

Por Tainã Mansani, de Berlim

Sérgio Vaz na Embaixada do Brasil em Berlim (Foto: Tainã Mansani)

“Com licença, vou ler a minha poesia do modo como eu faço lá na mesa do bar.” Assim estreou nesta terça-feira (22), na Embaixada do Brasil em Berlim, o poeta e ativista cultural Sérgio Vaz, recitando um dos seus poemas sobre a vida na periferia de São Paulo para uma plateia com cerca de cem pessoas.

A apresentação inaugurou a semana de atividades que acontecem entre os dias 22 e 31 de maio, nas cidades alemãs de Berlim, Hamburgo e Colônia. O título do evento de abertura foi “Antropofagia periférica: a periferia no centro”. Além de Sérgio Vaz, também participaram do evento com suas poesias as integrantes do coletivo Cooperifa (Cooperação Cultural da Periferia) Lu Souza e Luciana Silva.

Leia também:
A periferia e sua Primavera de Praga

“A minha poesia vem das ruas que os anjos não costumam frequentar”, afirmou Sérgio Vaz durante o evento. A frase é também uma alusão ao fato de que a produção literária que vem das periferias não é aceita como literatura no Brasil. É o que considera uma das idealizadoras do evento, a alemã Ingrid Hapke.

Auditório da Embaixada do Brasil em Berlim lotado na Semana da Literatura Marginal (Foto. Tainã Mansani)

Para ela, que estudou a Literatura Marginal em sua tese de doutorado, e viveu em São Paulo para acompanhar a produção desse grupo, as críticas aos textos são afirmações feitas a partir da perspectiva de uma estética tradicional. “A complexidade das múltiplas linguagens artísticas e a inserção desse movimento num campo cultural mais amplo não são considerados”, afirma.

Veja também:  Eleições Europeias: Abstenção e fantasma nacional-populista ameaçam o futuro do bloco

A semana da Literatura Marginal acontece no mesmo ano em que o Brasil é o país convidado especial da Feira do Livro de Frankfurt, um dos maiores encontros literários da Alemanha e do mundo, a ser realizado em outubro de 2013. Ingrid Hapke considera, no entanto, que a Literatura Marginal para esses eventos é vista mais como a “exceção exótica”.

Mas visibilidade na esfera pública é uma das maiores conquistas do coletivo, afirma o alemão Mário Schenk, que também escreveu a sua tese entre idas e vindas à Cooperifa de São Paulo. A representação política dos seus autores tendo a literatura como instrumento é algo inovador e chama atenção do público alemão.

O encerramento da semana de eventos acontecerá com o sarau “Cruzando palavras. São Paulo encontra Berlim”, no dia 31 de maioA semana de atividades na Alemanha conta com a organização do coletivo Urban Atitude e também com o apoio da Fundação Heinrich Böll.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum