INSCREVA-SE JÁ
09 de Maio de 2018, 16h05

“Culpar as vítimas pela tragédia é inadmissível”, diz Boulos em ato em defesa de ocupações. Vídeo

Pré-candidato pelo PSOL afirma: “Esse ato é para exigir do poder público que tome atitudes. Tem famílias que estão até agora abandonadas, desabrigadas no Largo do Paissandu”

Foto: Mídia NINJA

Com informações de Ivan Longo

O pré-candidato à presidência pelo PSOL e líder do MTST, Guilherme Boulos, marcou presença em ato no Centro de São Paulo, na tarde desta quarta-feira (9), que teve como objetivo pedir rapidez das autoridades no que se refere à liberação de recursos para construção de moradias populares. “Esse ato é para exigir do poder público que tome atitudes. Tem famílias que estão até agora abandonadas, desabrigadas no Largo do Paissandu”, afirmou.

Foto: Ivan Longo

Integrantes de ocupações e movimentos por moradia também protestaram contra a criminalização dos movimentos. “Houve uma tentativa absurda de criminalizar as lutas sociais, os movimentos. Quiseram culpar as próprias as vítimas pela tragédia. Isso é inadmissível. Hoje, viemos dar uma resposta a isso e exigir políticas públicas de habitação”, concluiu Boulos.

Foto: Divulgação

O ato em luta por moradias em São Paulo teve início por volta de 15 horas e a concentração foi na Praça da Sé. Em seguida, se dirigiu ao acampamento dos moradores do prédio ocupad no Paissandu, que incendiou e desabou.