Imprensa livre e independente
28 de novembro de 2017, 17h01

Cunha continua preso: STF nega pedido de liberdade

Gilmar Mendes foi o único ministro a votar a favor de soltar Eduardo Cunha, com medidas cautelares

Gilmar Mendes foi o único ministro a votar a favor de soltar Eduardo Cunha, com medidas cautelares Da Redação* Foi rejeitado, nesta terça-feira (28), pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), um pedido de habeas corpus do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Mesmo que o fosse aceito, Cunha permaneceria preso porque há outras três ordens de prisão contra ele. Cunha foi preso em Brasília em outubro do ano passado por determinação do juiz Sérgio Moro. Posteriormente, foi transferido para Curitiba. Votaram contra soltar Eduardo Cunha: Edson Fachin Dias Toffoli Votou a favor de soltar Eduardo Cunha, com medidas cautelares: Gilmar Mendes...

Gilmar Mendes foi o único ministro a votar a favor de soltar Eduardo Cunha, com medidas cautelares

Da Redação*

Foi rejeitado, nesta terça-feira (28), pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), um pedido de habeas corpus do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Mesmo que o fosse aceito, Cunha permaneceria preso porque há outras três ordens de prisão contra ele.

Cunha foi preso em Brasília em outubro do ano passado por determinação do juiz Sérgio Moro. Posteriormente, foi transferido para Curitiba.

Votaram contra soltar Eduardo Cunha:

Edson Fachin

Dias Toffoli

Votou a favor de soltar Eduardo Cunha, com medidas cautelares:

Gilmar Mendes

Os ministros Ricardo Lewandowski e Celso de Mello não participaram do julgamento.

Durante a sessão, o relator do caso, Edson Fachin, considerou que ainda existe risco de Cunha voltar a cometer crimes caso seja solto.

“Não reconheço constrangimento ilegal decorrentes da duração da medida gravosa e afasto também a configuração de excesso de prazo”, acrescentou.

Condenação

Em março deste ano, Cunha foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 15 anos e 4 meses de reclusão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e evasão de divisas.

Veja também:  Debandada: com saída de Levy, governo Bolsonaro já sofreu 19 baixas no segundo escalão

Na semana passada, a condenação foi confirmada em segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Mas a pena foi reduzida para 14 anos e 6 meses de prisão.

No STF, os advogados de Cunha argumentaram que a condenação em segunda instância, pelo TRF-4, ainda não está concluída, já que a defesa ainda recorre ao próprio tribunal.

*Com informações do G1

José Cruz/Agência Brasil

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum