10 de setembro de 2018, 21h22

Datafolha: Haddad tem empate técnico com Ciro, Marina e Alckmin

Levantamento sem considerar o nome do ex-presidente Lula mostra Jair Bolsonaro em primero, com 24%

Foto: Ricardo Stuckert

Novo levantamento Datafolha, sem considerar o nome do ex-presidente Lula como candidato, divulgado na noite desta segunda-feira (10), aponta que Fernando Haddad (PT), com 9%, já está empatado tecnicamente com Ciro Gomes (PDT), com 13%; Marina Silva (Rede), 11%; e Geraldo Alckmin (PSDB), 10%. Em relação à pesquisa anterior, o petista subiu de 4% para 9%, mais do que o dobro. Na primeira colocação aparece Jair Bolsonaro, com 24%.

Acompanhe todos os números do Datafolha: Jair Bolsonaro (PSL): 24%; Ciro Gomes (PDT): 13%; Marina Silva (Rede): 11%; Geraldo Alckmin (PSDB): 10%; Fernando Haddad (PT): 9%; Álvaro Dias (Podemos): 3%; João Amoêdo (Novo): 3%; Henrique Meirelles (MDB): 3%; Guilherme Boulos (PSOL): 1%; Vera (PSTU): 1%; Cabo Daciolo (Patriota): 1%; João Goulart Filho (PPL): 0%; Eymael (DC): 0%; Branco/nulos: 15%; Não sabe/não respondeu: 7%

A expectativa é que essa pesquisa recebesse os efeitos do ataque à faca sofrido por Bolsonaro, além do início do horário eleitoral no rádio e na TV.

O levantamento Datafolha entrevistou 2.820 eleitores. Na semana passada, o instituto derrubou a divulgação de seu levantamento, alegando dúvidas em relação à inclusão do nome de Lula, depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) definiu pela impugnação do registro da candidatura do petista.

No Datafolha anterior, divulgada no dia 22 de agosto e sem o nome de Lula, Bolsonaro tinha 22% das intenções de voto. Na sequência, Marina Silva e Ciro Gomes, com 16% e 10%, respectivamente. Geraldo Alckmin apareceu com 9%.

Fernando Haddad (PT), substituo de Lula, caso o ex-presidente não possa mesmo participar, apareceu com 4% das intenções de votos, empatado com Álvaro Dias (Podemos). João Amoêdo (Novo) e Henrique Meirelles (MDB) surgiram com 2%; Vera Lúcia (PSTU), Cabo Daciolo (Patriota), Guilherme Boulos (PSOL) e João Goulart Filho (PPL), com 1%, enquanto Eymael (DC), com 0%. Brancos e nulos ou nenhum chegaram a 22% e os que não souberam, 6%.