27 de setembro de 2018, 16h22

De Temer a Bolsonaro: a árvore genealógica dos vampiros tropicais

"Jair Bolsonaro é o novo vampiro que está ávido para aumentar o estoque de sangue alheio"

“a burguesia se alimenta como um vampiro do sangue do proletariado”

Rosa Luxemburgo

Existe uma estimativa muito pouco analisada no Brasil. De acordo com Jorge Lyra, coordenador do Instituto Papai (Programa de Apoio ao Pai Jovem e Adolescente), do Recife, “pouco mais da metade das mães adolescentes – algo entre 55% e 60% – carrega bebês concebidos por parceiros com menos de 19 anos. Dessa forma, é possível inferir que cerca de 700 mil adolescentes sejam pais no Brasil – o número de mães ultrapassa 1,2 milhão, segundo o IBGE, o que alcança 15% do total das adolescentes”.1

Essa é uma pesquisa publicada em 2006, não sei como seria há 63 anos atrás. Provavelmente com números bem menores. Mas existe a possibilidade (mesmo que remota) de Temer, hoje com os seus 78 anos, ser pai de Bolsonaro, hoje com 63 anos, caso fosse um pai adolescente.

Lógico que isso é apenas especulação. Mera viagem, talvez um enredo para uma curiosa ficção. Mas existe um outro fator que pode abrir um leque de possibilidades, vindo a confirmar o parentesco entre os dois. O morcego hematófago, que se alimenta de sangue, só existe nas Américas do sul e Central. A lenda do conde Drácula que se inspirou no príncipe Vlad III que viveu no século XV, na região da atual Romênia, não levou em consideração que se o empalador pudesse realmente se transformar em um morcego, ele jamais chuparia sangue de suas vítimas, pois sua dieta seria a base de frutas.2

Sendo assim, o vampiro é nosso. Ele se reproduz por aqui. É latinoamericano. E se, “desde 1741, o termo ‘vampiro’ assume na Inglaterra o sentido de ‘tirano que suga a vida de seu povo’, e Voltaire, depois, afirma que ‘os verdadeiros vampiros são os monges, que comem à custa dos reis e dos povos’”3, como explica o historiador Claude Lecouteux, nada nos impede de pensar que os genes vampíricos de Michel Temer foram transmitidos para o seu herdeiro, o candidato do PSL que quer tocar o projeto econômico que começou a partir do golpe. Projeto esse que suga o sangue das massas trabalhadoras, cortando gastos públicos, ou como dizia o próprio presidente, “rasgando na carne”. Vai me dizer que esse não seria um código linguageiro próprio de um vampiro?

Jair Bolsonaro é o novo vampiro que está ávido para aumentar o estoque de sangue alheio. Ele e o seu futuro ministro vivem afirmando ser adeptos da política de privatizações, do corte de direitos dos trabalhadores, do aumento de impostos para os pobres etc.. Tudo visa privilegiar o capital, as fortunas dos mais ricos que agem como um morto-vivo, o vampiro propriamente dito. Permitam-me citar Karl Marx: “o capital é trabalho morto, o qual, como um vampiro, vive apenas para sugar o trabalho vivo, e quanto mais sobreviver, mais trabalho sugará”.

Primeiro foi Temer, agora os empresários, sem opções, precisam escolher um substituto para assumir o título de conde Drácula. E já que Alckmin, Meirelles e os outros não sobem nas pesquisas, o melhor candidato ao cargo seria Jair Bolsonaro. O sucessor mais bem colocado.

O candidato do PSL está preparado para assumir a dianteira no projeto que corta investimentos em educação e saúde, que entrega aos estrangeiros a nossa riqueza, que amplia o poder devastador do latifúndio sanguinário e o das empresas de agrotóxicos. Enquanto isso ficará em uma de suas mansões assistindo o povo se matar, apreciando licores, vinhos e uísques a base de sangue em uma taça de cristal financiada pelo dinheiro das indústrias de armas.

Com o discurso de que está na corrida presidencial para defender a família e combater a corrupção (sem ter movido uma palha nos seus 27 anos de mandato em prol disto), construiu uma bela capa, de dar inveja ao Drácula original, para esconder sua verdadeira face macabra portadora de uma arcada dentária pontiaguda que facilita na hora de sugar o sangue das classes desprivilegiadas e de seus próprios eleitores que estão anestesiados pelo encanto da retórica moralista.

Para eles o candidato pode fazer qualquer coisa, inclusive seguir os passos da política econômica de Temer, desde que não seja corrupto. Serem explorados, estrangulados, intoxicados e subordinados a um empresariado sem nenhum compromisso com o trabalhador não os incomoda, desde que o mestre, supostamente honesto, tenha mandado.

Quem viu o filme “O jovem Marx”, logo de cara teve acesso a um dos primeiros textos do filósofo alemão. Nele, o jovem comunista salienta: “Montesquieu cita dois tipos de corrupção: um quando as pessoas não observam as leis; e outro quando as leis as corrompe”. Quando vemos Bolsonaro defender (ou não se opor) os privilégios dos políticos, as farras fiscais para os banqueiros e empresários, nada mais é do que uma espécie de corrupção garantida por lei. Leis que não foram acordadas com o povo que, por sua vez, exige punição em relação a esses temas.

Cabe lembrar que o PSL foi o partido mais leal ao presidente Temer neste ano. “Levantamento da consultoria Arko Advice mostra que os parlamentares da sigla – atualmente oito, incluindo Bolsonaro – acompanharam o governo em 67,73% das votações”.4 Mas do que o MDB, partido do próprio Temer que vem em seguida com 64,34%. Está aí, só não acredita quem não quer, embora todos acreditem nas pesquisas de intenção de voto realizadas pelos mesmos veículos que o criticam.

Entre os índios tupis-guaranis, o morcego era signo de terror, e entre os tupinambás, o fim do mundo seria precedido pela desaparição do Sol, devorado por um morcego. Caso Bolsonaro vença essas eleições, para eles realmente será o fim, já que o deputado deixou claro que em seu governo não haverá nenhuma terra demarcada para as populações indígenas. Contudo, com a força feminina e do nordeste

 

1 https://istoe.com.br/5866_MENINOS+PAIS/

2 Santos, Chistian. Et al. Brasil, o pai do vampiro. RHBN, out, 2012. P. 62-65.

3 LECOUTEUX, Claude. História dos Vampiros: autópsia de um mito. Trad: Álvaro Lorencini. São Paulo: Unesp, 2005. p. 12.

4 https://politica-estadao-com-br.cdn.ampproject.org/v/s/politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,psl-de-bolsonaro-foi-o-mais-fiel-a-temer-neste-ano,70002414169.amp?amp_js_v=a2&amp_gsa=1&usqp=mq331AQCCAE%3D#referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s&ampshare=https%3A%2F%2Fpolitica.estadao.com.br%2Fnoticias%2Feleicoes%2Cpsl-de-bolsonaro-foi-o-mais-fiel-a-temer-neste-ano%2C70002414169