ASSISTA
27 de junho de 2017, 10h18

Decisão de Fachin no caso Patrícia Lelis pode tirar direitos políticos de Feliciano

Caso em que assessor do deputado Marco Feliciano acusa Patrícia de ter mentido à Justiça será julgado pelo STF junto com a denúncia da jornalista de que teria sofrido tentativa de estupro por parte do pastor evangélico      Por Redação    Foto Lula Marques/AGPT   Decisão do ministro Luiz Edson Fachin levou para o Supremo Tribunal […]

Caso em que assessor do deputado Marco Feliciano acusa Patrícia de ter mentido à Justiça será julgado pelo STF junto com a denúncia da jornalista de que teria sofrido tentativa de estupro por parte do pastor evangélico 

 

 

Por Redação    Foto Lula Marques/AGPT

 

Decisão do ministro Luiz Edson Fachin levou para o Supremo Tribunal Federal (avocou) o processo que era movido por assessor do pastor Marco Feliciano (PSC) contra a Jornalista Patrícia Lélis. Depois que Patrícia denunciou tentativa de estupro por parte do deputado, que é pastor evangélico, fez também acusação de que o assessor Talma Bauer a teria sequestrado e mantido em cárcere privado num hotel de São Paulo. Depois de investigações que não comprovaram o sequestro, ela foi processada por denunciação caluniosa e extorsão. Talma é um ex-policial que teria entregado R$ 20 mil a Patrícia para que ela “ficasse quieta”.

A decisão de Fachin, publicada ontem, junta esses dois processos por considerar que são correlatos. A acusação de estupro e agressão no apartamento do deputado em Brasília, que pode levar à condenação e perda do mandato de Feliciano, será julgada por Fachin junto com a acusação do assessor do deputado a Patrícia. Os casos estão no STF porque como deputado federal Feliciano tem direito a fórum privilegiado.

Segredo de Justiça — Os processos correm em segredo de Justiça. Patrícia é jornalista, estudante de direito e ex-simpatizante do partido do deputado, o PSC.