Imprensa livre e independente
16 de julho de 2015, 18h06

Delator da Lava Jato diz que Cunha pediu milhões de dólares em propina

Em depoimento prestado nesta quinta-feira (16), Julio Camargo afirmou que Cunha pediu propina para viabilizar um contrato de navios-sonda com a Petrobras; presidente da Câmara dos Deputados nega

Em depoimento prestado nesta quinta-feira (16), Julio Camargo afirmou que Cunha pediu propina para viabilizar um contrato de navios-sonda com a Petrobras; presidente da Câmara dos Deputados nega Do Jornal GGN Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, foi acusado pelo réu delator da Lava Jato, Julio Camargo, de ter pedido cerca de 5 milhões de dólares em propina, dinheiro que seria usado para campanha eleitoral, segundo informações de O Estado de S. Paulo. O jornal O Globo, por sua vez, afirmou que o valor negociado seria 10 milhões de reais. “Fui bastante apreensivo (ao encontro do parlamentar no Leblon, Rio). O...

Em depoimento prestado nesta quinta-feira (16), Julio Camargo afirmou que Cunha pediu propina para viabilizar um contrato de navios-sonda com a Petrobras; presidente da Câmara dos Deputados nega

Do Jornal GGN

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, foi acusado pelo réu delator da Lava Jato, Julio Camargo, de ter pedido cerca de 5 milhões de dólares em propina, dinheiro que seria usado para campanha eleitoral, segundo informações de O Estado de S. Paulo. O jornal O Globo, por sua vez, afirmou que o valor negociado seria 10 milhões de reais.

“Fui bastante apreensivo (ao encontro do parlamentar no Leblon, Rio). O deputado Eduardo Cunha é conhecido como uma pessoa agressiva, mas confesso que comigo foi extremamente amistoso, dizendo que ele não tinha nada pessoal contra mim, mas que havia um débito meu com o Fernando do qual ele era merecedor de 5 milhões de dólares”, afirmou Camargo. “E isso estava atrapalhando, porque estava  em véspera de campanha, se não me engano uma campanha municipal e que ele tinha uma série de compromissos e que eu vinha alongando esse pagamento há bastante tempo e que ele não tinha mais condição de aguardar”, escreveu o Estadão.

O consultor Julio Camargo prestou depoimento, divulgado nesta quinta-feira (16), na presença do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná. Segundo o delator, Cunha pediu o pagamento para viabilizar um contrato de navios-sonda com a Petrobras.

Veja também:  Após vazamentos, pesquisa aponta que 44% dos brasileiros avaliam que Lava Jato cometeu excessos

Advogados presentes no interrogatório relataram que Camargo afirmou que Cunha prometeu dividir o dinheiro entre ele e o lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, operador do PMDB no esquema da Petrobras.

Cunha emitiu uma nota à imprensa a seguinte nota, negado as acusações:

“Com relação à suposta nova versão atribuída ao delator Júlio Camargo, tenho a esclarecer o que se segue:

1- O delator já fez vários depoimentos, onde não havia confirmado qualquer fato referente a mim, sendo certo ao menos quatro depoimentos.

2- Após ameaças publicadas em órgãos da imprensa, atribuídas ao Procurados Geral da República, de anular a sua delação caso não mudasse a versão sobre mim, meus advogados protocolaram petição no STF alertando sobre isso.

3- Desminto com veemência as mentiras do delator e o desafio a prová-las.

4- É muito estranho, às vésperas da eleição do Procurador Geral da República e às vésperas de pronunciamento meu em rede nacional, que as ameaças ao delator tenham conseguido o efeito desejado pelo Procurador Geral da República, ou seja, obrigar o delator a mentir.”

Veja também:  Lula sobre a Lava Jato: "As instituições não podem ser comandadas por moleques"

(Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum