ASSISTA
04 de Maio de 2015, 10h12

Delatores da Lava Jato protegeram Aécio

Os documentos enviados ao STF indicavam que Alberto Youssef falaria sobre crimes de corrupção cometidos pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG); porém, o doleiro não cumpriu o acordo e resolveu preservar o nome do tucano em seu depoimento.

Os documentos enviados ao STF indicavam que Alberto Youssef falaria sobre crimes de corrupção cometidos pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG); porém, o doleiro não cumpriu o acordo e resolveu preservar o nome do tucano em seu depoimento

Por Redação

Os acordos de delação premiada assinados pelo doleiro Alberto Youssef e pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa mostram que eles não contaram tudo o que prometeram revelar às autoridades.

Os papéis enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF) indicavam que Youssef iria falar sobre crimes de corrupção cometidos pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e Costa revelaria pagamentos de propinas para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e seu colega Romero Jucá (PMDB-RR).

“Toda e qualquer obra realizada em Furnas possuía comissionamento. Se especula que quem recebia por Aécio Neves era a pessoa de sua irmã”, dizia um dos trechos dos documentos.

Porém, na fase de depoimentos da operação, o doleiro não cumpriu o acordo e resolveu preservar o nome de Aécio. Ele afirmou apenas que o ex-deputado José Janene (PP-PR), morto em 2010, havia dito que o tucano “dividia” com ele propinas de Furnas, mas não apresentou provas. O inquérito contra Aécio acabou arquivado.

Costa também não levou adiante as denúncias que faria. O inquérito sobre Jucá também foi arquivado, e a investigação sobre Calheiros só continuou em decorrência de outros elementos apontados pelo Ministério Público. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Foto de capa: EBC / PSDB