Imprensa livre e independente
19 de abril de 2017, 09h34

Delegada ao revelar emoção de Emilly: “Que o caso sirva de exemplo para outras denúncias”

A delegada diz ainda que a violência doméstica, geralmente é gradativa. “Começa com um tratar mal, xingamentos, dedo no rosto. Depois aumenta para um empurrão, tapa no rosto, até que as agressões aumentam e acontece a lesão corporal”, reforça. Da Redação com Informações do G1 A vencedora do “Big Brother Brasil”, Emilly Araújo, foi prestar depoimento na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá (Deam-Jacarepaguá), na Zona Oeste do Rio, nesta segunda-feira (17), sobre agressão que teria sofrido durante o programa. Em entrevista ao G1, a delegada Viviane Costa Ferreira contou que Emilly se emocionou ao tratar do tema. “Teve...

A delegada diz ainda que a violência doméstica, geralmente é gradativa. “Começa com um tratar mal, xingamentos, dedo no rosto. Depois aumenta para um empurrão, tapa no rosto, até que as agressões aumentam e acontece a lesão corporal”, reforça.

Da Redação com Informações do G1

A vencedora do “Big Brother Brasil”, Emilly Araújo, foi prestar depoimento na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Jacarepaguá (Deam-Jacarepaguá), na Zona Oeste do Rio, nesta segunda-feira (17), sobre agressão que teria sofrido durante o programa.

Em entrevista ao G1, a delegada Viviane Costa Ferreira contou que Emilly se emocionou ao tratar do tema.

“Teve emoção, ela estava numa delegacia. Outras mulheres ficam da mesma forma. Ela foi pega de surpresa, além disso, envolve um assunto que trata de violência.”

A delegada explicou ainda que a emoção até dificulta que a vítima perceba que está em um relacionamento abusivo.

Emilly foi prestar esclarecimentos no inquérito que apura se o cirurgião Marcos Harter, também participante do programa, a agrediu durante o tempo em que ficaram juntos dentro da casa. De acordo com a delegada, falta analisar algumas imagens e tomar depoimentos para finalizar o inquérito. A previsão é que aconteça na próxima semana.

Veja também:  Garoto-propaganda da reforma da Previdência, Ratinho vai entrevistar Bolsonaro

“As mulheres deveriam aproveitar que o assunto está na mídia para verificarem se estão em uma relação saudável. Uma a cada três mulheres é vítima de violência doméstica. Fica o meu apelo para as mulheres pensarem se o parceiro tem algum tipo de comportamento agressivo, e elas não estão enxergando”, acrescenta.

A delegada ainda sugere que mulheres que estejam passando por situação semelhante compareçam à Deam.

“A violência doméstica, geralmente, ela é gradativa. Começa com um tratar mal, xingamentos, dedo no rosto. Depois aumenta para um empurrão, tapa no rosto, até que as agressões aumentam e acontece a lesão corporal”, reforça.

As investigações vão avaliar se houve crime de lesão corporal no caso de Emilly. Outros tipos de violência, porém, também podem ser caracterizadas como crime.

“Para ser lesão corporal, precisa ter marcas físicas. Mas a violência não é somente quando deixa marca. Xingamentos e dedo no rosto caracterizam violência psíquica”, esclarece.

No dia 12 de abril, Marcos Harter foi à Deam-Jacarepaguá para prestar depoimento. Ele chegou ao local acompanhado da irmã e não deu entrevistas.

Veja também:  Fotógrafo do ex-presidente Lula, Ricardo Stuckert homenageia Pepe Mujica, que completa 84 anos

Um dia antes, Harter usou a sua conta no Twitter para falar sobre a acusação. O médico alegou que nunca teve a intenção de machucar a estudante, com quem vinha mantendo uma relação amorosa.

Harter foi eliminado do Big Brother Brasil 17 no dia 10. A decisão foi baseada nas regras do reality show, que proíbem agressão física, e nas investigações da Polícia Civil do Rio. O médico, no entanto, já respondia inquérito em São Bernardo por ter divulgado fotos de uma colega de trabalho na internet e, mesmo assim, foi aceito pela emissora para participar do programa.

Foto: Reprodução

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum