Imprensa livre e independente
04 de maio de 2018, 08h50

Depois do Banco Central liberar, carimbos “Lula Livre” são vendidos no Mercado Livre

Rabiscar ou carimbar cédulas, apesar de não recomendado, de acordo com o Banco Central, não as invalida

Carimbos com o rosto do ex-presidente Lula e a frase “Lula Livre” são vendidos no Mercado Livre. Os preços variam de R$ 15 a R$ 30, em modelos de madeira ou automático, e tem até um pacote com 10 carimbos. Desde que Lula foi preso, em 7 de abril, apoiadores do ex-presidente têm carimbado ou mesmo escrito em cédulas de dinheiro a mensagem “Lula livre”, como uma forma de militância e resistência. Os opositores ao ex-presidente, por sua vez, rapidamente se mobilizaram e começaram a disseminar nas redes sociais e em grupos de Whatsapp a informação de que o Banco...

Carimbos com o rosto do ex-presidente Lula e a frase “Lula Livre” são vendidos no Mercado Livre. Os preços variam de R$ 15 a R$ 30, em modelos de madeira ou automático, e tem até um pacote com 10 carimbos.

Desde que Lula foi preso, em 7 de abril, apoiadores do ex-presidente têm carimbado ou mesmo escrito em cédulas de dinheiro a mensagem “Lula livre”, como uma forma de militância e resistência. Os opositores ao ex-presidente, por sua vez, rapidamente se mobilizaram e começaram a disseminar nas redes sociais e em grupos de Whatsapp a informação de que o Banco Central teria proibido a rede bancária de aceitar as notas carimbadas ou escritas.

Nesta quarta-feira (2), no entanto, o próprio Banco Central divulgou uma nota em que desmente a informação: rabiscar ou carimbar cédulas, apesar de não recomendado, de acordo com o órgão, não as invalida. Os bancos, portanto, podem e devem receber ou trocar cédulas com o carimbo de ‘Lula livre’ que porventura receberem.

 

Veja também:  Secretário Municipal de Saúde de SP vira réu por improbidade administrativa

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum