Imprensa livre e independente
18 de março de 2019, 17h05

Deputada pede ao MP investigação sobre arma de fogo usada no massacre de Suzano

"Precisamos saber como (e se) o poder público está controlando a circulação dessas ferramentas de morte", disse a deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP), que protocolou representação no MP-SP no dia de sua posse na Alesp

Reprodução/Facebook
A deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP) tomou posse na última sexta-feira (15) e, logo em seu primeiro dia como parlamentar, protocolou no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) uma representação em que pede a instauração de um inquérito civil para apurar a origem da arma de fogo utilizada por um dos jovens que protagonizou, na última quarta-feira (13), o ataque em uma escola pública de Suzano (SP) que culminou em 10 mortes. “Precisamos saber como (e se) o poder público está controlando a circulação dessas ferramentas de morte”, disse a deputada. Há alguns dias, massacre em Suzano, ontem,...

A deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP) tomou posse na última sexta-feira (15) e, logo em seu primeiro dia como parlamentar, protocolou no Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) uma representação em que pede a instauração de um inquérito civil para apurar a origem da arma de fogo utilizada por um dos jovens que protagonizou, na última quarta-feira (13), o ataque em uma escola pública de Suzano (SP) que culminou em 10 mortes.

“Precisamos saber como (e se) o poder público está controlando a circulação dessas ferramentas de morte”, disse a deputada.

Brasil na contramão 

A representação de Isa Penna vem em meio a um intenso debate sobre o controle de armas no Brasil e no mundo.

Veja também:  Paulo Pimenta entra no MP contra realizadores do desfile de crianças para adoção em Cuiabá

No mesmo dia do pedido da deputada ao MP, atiradores promoveram dois atentados simultâneos na Nova Zelândia contra duas mesquitas e vitimaram 50 pessoas. No domingo (17), no Brasil, uma menina de apenas 10 anos cometeu suicídio utilizando a arma do pai. Já nesta segunda-feira (18), um ataque a arma de fogo em Utrecht, na Holanda, deixou 3 pessoas mortas e pelo menos 9 feridas.

Os eventos geraram inúmeras reações de especialistas e autoridades que, em sua maioria, exigem um debate maior e novas legislações sobre o acesso a arma de fogo. A primeira-ministra da Nova Zelândia, por exemplo, já anunciou que vai modificar as leis do país ligadas ao tema.

Enquanto isso, no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro informou que está preparando um projeto de lei para ser encaminhado ao Congresso com o objetivo de flexibilizar o porte de arma. A proposta vem logo após o decreto que facilitou a posse, baixado em janeiro.

No dia seguinte ao ataque de Suzano, quinta-feira (14), o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, apresentou seu primeiro projeto de lei no Senado: autorizar a instalação de fábricas civis de armas de fogo e munições no país.

Veja também:  Carlos Lupi, presidente do PDT, visita Lula na próxima quinta-feira (23)

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum