Imprensa livre e independente
05 de abril de 2019, 10h28

Deputada que pediu para filmar “professores doutrinadores” usa recurso público para lançar livro antifeminista

Ana Caroline Campagnolo, apoiadora de Jair Bolsonaro, disse que não há irregularidade e justificou: "eu não sou petista, não sou de esquerda para usar o dinheiro público muito mal gerenciado”

Foto: Divulgação
A deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC), aquela que ficou conhecida por mandar estudantes filmarem “professores doutrinadores”, cobrou diárias da Assembleia Legislativa de Santa Catarina em datas que coincidem com o lançamento do seu livro “Feminismo: Perversão e Subversão”, em cidades do interior do Estado. Ao cruzar informações da agenda disponibilizada pela própria deputada e a do Portal da Transparência do Legislativo, a coluna de Altair Magagnin, no ND+, constatou pelo menos seis casos, nas cidades de Chapecó, Criciúma, Fraiburgo, Guaramirim, Itajaí e Itapoá a deputada recebeu diárias e translado, mas aproveitou as datas para lançar o seu livro “Feminismo:...

A deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC), aquela que ficou conhecida por mandar estudantes filmarem “professores doutrinadores”, cobrou diárias da Assembleia Legislativa de Santa Catarina em datas que coincidem com o lançamento do seu livro “Feminismo: Perversão e Subversão”, em cidades do interior do Estado.

Ao cruzar informações da agenda disponibilizada pela própria deputada e a do Portal da Transparência do Legislativo, a coluna de Altair Magagnin, no ND+, constatou pelo menos seis casos, nas cidades de Chapecó, Criciúma, Fraiburgo, Guaramirim, Itajaí e Itapoá a deputada recebeu diárias e translado, mas aproveitou as datas para lançar o seu livro “Feminismo: Perversão e Subversão”.

O caso mais recente foi na segunda-feira (1), em Criciúma. Ana cobrou meia diária, no valor de R$ 335. Um assessor também tirou meia diária, para a mesma data e local, no valor de R$ 210.

A partir da repercussão nas redes sociais, Magagnin apurou que o caso não é isolado. Em 25 de março, Ana solicitou meia diária para ir a Itapoá, onde lançou o livro na mesma data.

Veja também:  Em carta, Lula diz: “Graças aos livros, sairei da prisão sabendo mais do que entrei”

A coluna descreve, de maneira minuciosa, toda a agenda de lançamentos, paga com dinheiro público:

Dos dias 10 a 12 de março, Ana pediu duas diárias, ao custo de R$ 1.340, para roteiro em Campos Novos, Fraiburgo, Lages e Lebon Régis. O livro foi lançado dia 10, em Fraiburgo.

Em 1º de março, Ana lançou o livro em Guaramirim. No mesmo dia, consta a cobrança de meia diária para o deslocamento à cidade.

Entre 21 e 24 de fevereiro, Ana esteve em Águas de Chapecó, Chapecó e Xanxerê. Para tal, cobrou três diárias, no valor de R$ 2.010. No dia 23, lançou livro em Chapecó.

O primeiro caso em que batem as datas de lançamento e a cobrança de diárias foi em 15 e 16 de fevereiro, em Balneário Camboriú e Itajaí. Para tal, a Assembleia desembolsou R$ 1.005. O livro foi lançado dia 16, em Itajaí.

O custo para os cofres de Santa Catarina, no entanto, foram dobrados. Assim como em Criciúma, as viagens a Guaramirim e ao Oeste também foram acompanhadas por um assessor, que tirou diárias proporcionais à deputada.

Veja também:  Decreto de Bolsonaro libera venda de fuzil para qualquer cidadão: "Fila é de 2 mil pessoas", diz Taurus

A justificativa para a cobrança de diárias é genérica: “reunião de serviço”, “reunião/visita com lideranças/entidades”, “representação do Poder Legislativo” e “visita a Prefeituras/Câmaras de Vereadores”.

Não sou petista para usar dinheiro público

Em entrevista por telefone para Altair, na noite desta quinta-feira (4), Ana Campagnolo afirmou que em todas as datas cumpriu agenda com atribuições de deputada e que os lançamentos de livro foram feitos após o encerramento do expediente. “As diárias não são pegas para o lançamento do livro, mas para agendas no município”, afirmou. “Se eu considerasse errado, eu não faria. Até porque, eu não sou petista, não sou de esquerda para usar o dinheiro público muito mal gerenciado”, acrescentou.

Vida pública repleta de irregularidades e contradições

A deputada Ana Caroline Campagnolo é a mesma que ficou conhecida por mandar estudantes filmarem “professores doutrinadores” em publicação na sua página no Facebook logo após o anúncio da vitória de Jair Bolsonaro (PSL) nas eleições presidenciais.

Apesar do discurso moralista, a sua vida pública é repleta de irregularidades e contradições. No final de 2018, ela teve as suas contas reprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SC).

Veja também:  VÍDEO: Manifestantes pró-Bolsonaro arrancam faixa em defesa da educação na UFPR

Mesmo com o seu antipetismo, ela vive em um apartamento financiado justamente por um programa do PT: o Minha Casa, Minha Vida.

De acordo com informações da coluna de Lauro Jardim, ela processou a cooperativa Habitacional de Chapecó alegando que o valor do financiamento que recebeu era inferior ao valor do apartamento. Acusou, inclusive, a cooperativa de corretagem às avessas. A juíza considerou a sua ação improcedente.

Veja mais detalhes na coluna de Altair Magagnin

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum