Imprensa livre e independente
11 de dezembro de 2016, 12h23

Ex-deputado reage em texto no Facebook contra apelido na lista da Odebrechet: “Todo Feio, eu?”

Outra coisa que não gostei nessa delação do canalha Claudio Melo foi codinome de "Todo Feio". rsrsrsrsrs Não é bem assim, né?

O ex-deputado federal Inaldo Leitão reagiu à delação de Cláudio Mello Filho que o inclui como um dos beneficiários de propina da Odebrechet. O apelido de Inaldo, na lista, seria Todo Feio. No texto a seguir, o ex-deputado pergunta: Todo Feio, Eu? E chama o delator de “Todo horroroso”. Sim, parece briga de colégio, mas não é. É briga de milhões em propina pagas pela Odebrechet que estremecem Brasília e que podem fazer o governo de Michel Temer acabar ainda neste ano. Leia o texto de Inaldo.   ‘TODO FEIO’, EU? “O ex-amigo e atual canalha Claudio Melo afirmou, na sua...

O ex-deputado federal Inaldo Leitão reagiu à delação de Cláudio Mello Filho que o inclui como um dos beneficiários de propina da Odebrechet. O apelido de Inaldo, na lista, seria Todo Feio.

No texto a seguir, o ex-deputado pergunta: Todo Feio, Eu? E chama o delator de “Todo horroroso”.

Sim, parece briga de colégio, mas não é. É briga de milhões em propina pagas pela Odebrechet que estremecem Brasília e que podem fazer o governo de Michel Temer acabar ainda neste ano. Leia o texto de Inaldo.

 

‘TODO FEIO’, EU?

“O ex-amigo e atual canalha Claudio Melo afirmou, na sua delação, que eu recebi 100 mil da Odebrecht na campanha de 2006. Como esse fato já faz 10 anos, não lembro exatamente o valor recebido, mas sei que foi em caráter oficial.

E que fique claro: o delator confessa que me fez a doação por eu ter um cunhado trabalhando na empresa e por amizade pessoal, MAS SEM QUALQUER CONTRAPARTIDA.

Nunca tive relação de negócio com a Odebrecht, jamais fiz qualquer pagamento à empresa nos cargos que exerci e tampouco apresentei projeto de lei ou relatei proposição do seu interesse, direto ou indireto, na Câmara dos Deputados. Isso inclui qualquer outra empresa.

Veja também:  Reviravolta na eleição da Argentina: líder nas pesquisas Cristina Kirchner anuncia que será candidata a vice

O delator afirma que os personagens delatados retribuíram a doação recebida por diversos meios e formas. MENOS EU.

Moro em Brasília desde 2007 pagando aluguel. Em 40 anos de atividade profissional (advogado, procurador do Estado e professor da UFCG), fui também Secretário de Estado por três vezes, Delegado do Mec, Deputado Estadual, Presidente da Assembleia Legislativa, Deputado Federal por duas legislaturas e o único patrimônio imobiliário que tenho é um apartamento em João Pessoa (bem de família).

Ou seja, nunca me utilizei da carreira pública para acumular patrimônio ilegalmente. Nesse quesito, ocorreu o contrário: só perdi. E não me arrependo, pois jamais tive como objetivo de vida a riqueza.

Outra coisa que não gostei nessa delação do canalha Claudio Melo foi codinome de “Todo Feio”. rsrsrsrsrs Não é bem assim, né? Se fosse escolher um codinome para esse delator, ficaria em dúvida entre Todo Horroroso ou O Mentiroso.

P. S. Ora, ora, ora…
Acabei de ter acesso ao texto da delação do canalha Claudio Melo. Diz ele: “Durante a campanha de 2010, recebi um pedido do Ex-Deputado Inaldo Leitão para que reforçasse junto ao Pacífico, DS das regiões norte e nordeste e amigo pessoal de Inaldo, a solicitação que ele havia feito a Pacífico de contribuição financeira. Reforcei o pedido junto a Pacífico até porque tenho tenho uma relação com o parlamentar e o mesmo tinha capacidade demonstrada de ser um futuro líder na Câmara, já tendo sido membro da CCJ. Ressalto, ainda, que este ex-Deputado tem relações antigas na empresa, além de familiares.”

Veja também:  Dallagnol divulga vídeo com lavajateiros fazendo campanha para Coaf seguir nas mãos de Moro

Detalhe: NÃO FUI CANDIDATO EM 2010!!!
Outro: como esse sujeito pode dizer que eu vou ser líder de uma bancada que ainda não existe e só será conhecida depois da eleição?

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum