11 de fevereiro de 2019, 10h29

Deputado do PT vai representar general Heleno por crime de improbidade administrativa

A Abin, de acordo com reportagem do Estadão, tem espionado cardeais brasileiros, pois eles estariam articulando junto ao Vaticano debates em torno de uma “agenda progressista”

Foto: Antonio Augusto/ Câmara dos Deputados
O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou, em sua conta no Twitter, nesta segunda-feira (11), que vai representar contra o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Augusto Heleno “por crime de improbidade administrativa no episódio da espionagem das atividades da CNBB”, disse. Vou representar o General Heleno, do GSI, por crime de improbidade administrativa no epsódio da espionagem das atividades da CNBB. Ele está utilizando servidores públicos para espionagem com finalidades politico-ideológicas. Vou também convocá-lo para que ele se explique. — Paulo Teixeira (@pauloteixeira13) 11 de fevereiro de 2019 “Vou representar o General Heleno, do...

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou, em sua conta no Twitter, nesta segunda-feira (11), que vai representar contra o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Augusto Heleno “por crime de improbidade administrativa no episódio da espionagem das atividades da CNBB”, disse.

“Vou representar o General Heleno, do GSI, por crime de improbidade administrativa no episódio da espionagem das atividades da CNBB. Ele está utilizando servidores públicos para espionagem com finalidades politico-ideológicas. Vou também convocá-lo para que ele se explique.”

De acordo com reportagem do Estadão publicada neste domingo (10), a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) tem espionado cardeais brasileiros pois eles estariam articulando junto ao Vaticano debates em torno de uma “agenda progressista” que podem fazer forte oposição ao governo.

“Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí”, disse o general Heleno.