13 de novembro de 2018, 19h48

“Dez perguntas sem respostas”, tuitou repórter da Folha sobre uso de plataformas na campanha de Bolsonaro

Patricia Campos Mello, jornalista da Folha de S.Paulo, postou em seu twitter sequência de perguntas que foram evitadas por Facebook, Whatsapp e Twitter

Patricia Campos Mello, repórter da Folha de S.Paulo, que assinou a reportagem que denunciou o escândalo do WhatsApp e Caixa 2 da campanha de Jair Bolsonaro, postou uma sequência de tuítes, onde mostra que Whatsapp e Facebook evitaram responder perguntas-chaves sobre o assunto. “Quantos cliques, visualizações, curtidas e comentários foram recebidos por meio de impulsionamento pago no Facebook, Instagram e Twitter relacionado a Jair Bolsonaro e Fernando Haddad?”, foi uma das perguntas evitadas, segundo a jornalista.   

Entenda o caso

Uma reportagem de Patrícia Campos Mello, na Folha de S.Paulo, publicada quinta-feira (18) de outubro, revelou que um grupo de empresários – entre eles Luciano Hang, dono da Havan – estava contratando empresas para disparar fake news contra o PT, durante a campanha de Jair Bolsonaro (PSL). A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada.

Na segunda-feira (12), a Folha de S.Paulo publicou a matéria ‘Twitter, Facebook e WhatsApp não respondem principais perguntas sobre seu papel na eleição brasileira’, nas respostas. O Facebook não comentou, por exemplo, a contratação de impulsionamento pelo empresário Luciano Hang, dono da Havan, multado pelo TSE em setembro por ter impulsionado publicações no Facebook, promovendo a campanha de Bolsonaro. Também não informou os valores gastos em impulsionamentos que levavam o usuário a conteúdos referentes a Jair Bolsonaro.

“DEZ PERGUNTAS SEM RESPOSTA Para o WhatsApp: “Quantas contas ligadas às agências foram banidas? Quantas msgs foram enviadas dos números ligados às agências? Quais os números detectados pelo envio anormal de msgs? Qual aumento de msgs nos últimos 12 ms e queda nos últimos 30 dias?”, publicou a jornalista.

Confira os tuítes

 

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você não pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais